O governo #Michel Temer pode ter um grande avanço em seus ideais na luta contra a corrupção. Érika Mialik Marena, delegada federal que deu o nome à Operação Lava Jato, está nos planos de Temer para se tornar a nova diretora-geral da #Polícia Federal. Marena é uma das principais investigadoras da #Lava Jato e colocá-la como diretora-geral da PF mostra que o governo Temer está preocupado em punir os políticos que querem atrapalhar ou obstruir a Lava Jato. Michel Temer terá muitos desafios em sua gestão, pois vários ministros e políticos envolvidos em seu governo estão na mira da Operação, e o fato de colocar Marena à frente da operação, pode ser uma resposta a seus aliados.

Publicidade
Publicidade

A delegada possui a maioria de votos de indicação na categoria e a chance dela assumir só está sendo possível também, devido ao atual diretor-geral, Leandro Daielo, estar de saída do cargo, pois comenta-se nos bastidores, que Daielo está com planos de abrir uma banca na área criminalista, juntamente com o ex-ministro José Eduardo Cardozo. A assessoria de Daielo nega, por enquanto, esses dizeres, mas há rumores de que no término das olimpíadas, em agosto, o diretor-geral já deixe o cargo.

Comando

Érika Marena pode ser a primeira mulher com a missão de comandar a corporação. Ela tem mais de 10 anos de carreira e é especializada em investigações de crime organizado. Caso essas afirmações se confirmem, Marena será vista como um lado positivo no governo Temer, pois ele está colocando uma mulher no alto escalão, ganhando confiança de vários setores e mostrando para todos que não pretende, em hipótese nenhuma, interferir na Lava Jato.

Publicidade

AGU

A advocacia Geral da União pretende, nesta segunda-feira (30), ajuizar uma ação em que pede o ressarcimento de R$ 11 bilhões aos cofres públicos de todas as propinas investigadas na Lava Jato. A AGU está utilizando o fundamento da Lei de Improbidade Administrativa. Os corruptos processados que estão na lista são Renato Duque, Alberto Yousseff, Paulo Roberto Costa, e as empreiteiras Odebrecht e Camargo Corrêa como principais envolvidas.