A polêmica gerada pela divulgação dos áudios dos diálogos entre o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e políticos está gerando constrangimentos e comprometendo cada vez mais importantes lideranças políticas, como no caso do presidente do Senado Renan Calheiros.

Calheiros tentou explicar ao senador #Aécio Neves qual foi a motivação que o levou a citar o nome do senador nos diálogos que teve com Sérgio Machado por telefone.

No diálogo divulgado pela reportagem da Folha de São Paulo, Calheiros afirma que todos os políticos, sem exceção, estão com medo das investigações da Operação Lava Jato e cita, particularmente, Aécio Neves, dizendo que o próprio Aécio pediu a ele para que fizesse uma minuciosa verificação nas informações contidas na delação do ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido – MS) para ver se haviam trechos em que Delcídio citava seu nome.

Publicidade
Publicidade

Calheiros divulgou nota pedindo desculpas a Aécio pelas citações de seu nome em gravações

O clima ficou tão chato e tão insuportável entre o presidente do Senado e Aécio Neves, que Calheiros se viu obrigado a publicar uma nota na imprensa afirmando que o teor da conversa com Sérgio Machado, ao telefone, não é nenhuma novidade e que as informações contidas no diálogo são de conhecimento público, porque já foram noticiadas por jornais.

“Todas as opiniões do senador Aécio Neves, sempre, foram publicamente divulgadas e noticiadas por veículos de comunicação, como as críticas que o senador fez ao ex-presidente da Câmara dos deputados, a necessidade de alteração na lei de delações, entre outras opiniões sempre foram largamente divulgadas e veiculadas, assim como as noticias de delações de empreiteiras”, afirma Calheiros na nota.

Publicidade

A assessoria do presidente do Senado disse que a postura de Renan Calheiros sempre foi a de receber todos aqueles que o procuram para dialogar e que ele sempre ouviu e expôs seus pontos de vista dentro da lei das normas que regem a Constituição.

Calheiros também pediu desculpas a Aécio e disse que se expressou “inadequadamente” e que em seu diálogo Aécio não estava com “medo do depoimento de Delcídio” e sim com “indignação”.

No final da nota, Calheiros afirma que em nenhum momento do diálogo, é sugerida uma intervenção nas investigações da Operação #Lava Jato, e nem seria o caso, porque nada é capaz de interferir ou parar as investigações. #Senado Federal