O procurador Rodrigo Janot afirmou que delações premiadas da operação #Lava Jato e outras provas apontam o envolvimento do casal em crimes de #Corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Além da senadora Gleisi Hoffmann e do ex-ministro do planejamento e das comunicações, Paulo Bernardo, também foi denunciado o empresário Ernesto Kugler Rodrigues, ligado ao casal.

Segundo Janot, o trio teria recebido R$ 1 milhão desviados da Petrobras, para a campanha de Gleise ao Senado, em 2010. A senadora do PT (Partido dos Trabalhadores) foi citada nas delações premiadas, do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa.

Publicidade
Publicidade

Se os ministros do STF (Superior Tribunal Federal) aceitarem a denúncia, todos serão réus da ação penal. O caso tramita no supremo porque a senadora tem foro privilegiado. 

A defesa nega que Gleisi Hoffmann e o marido tenham recebido propina do esquema.

O empresário Ernestto Kugler Rodrigues também rebateu as acusações.

Presa na operação Lava Jato, a mulher do publicitário João Santana depôs ao Ministério Público Federal, para tentar fechar um acordo de delação premiada. Ela e o marido que também está preso foram denunciados na semana passada, por corrupção e lavagem de dinheiro.

De acordo com reportagem que foi divulgada no jornal O Globo, Mônica Moura teria dito aos procuradores que a JBS (empresa do ramo alimentício) deu dinheiro, que  foi para o caixa 2 do Partido dos Trabalhadores, na campanha que reelegeu a presidente Dilma Rousseff.

Publicidade

Segundo o relatório, a empresa teria pago a dívida do partido com a gráfica Focal, que fica em São Bernardo do Campo (interior de São Paulo).

Nas eleições de 2014, a JBS doou mais de R$ 360 milhões legalmente ao PT, mas o valor que foi citado no depoimento, não foi declarado à Justiça Eleitoral.

De acordo com Mônica, o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, João Vaccari Neto, exigia que os serviços gráficos fossem concentrados em empresas de Carlos Cortegoso, como a Focal. Porque o empresário aceitava receber os pagamentos após as campanhas. Cortegoso não comentou sobre as acusações, já a JBS afirma que as denúncias são infundadas. #Crise-de-governo