Conversas telefônicas gravadas entre o atual ministro do Planejamento Romero Jucá e Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, demonstram muita preocupação com os rumos da operação #Lava Jato.

Nos diálogos, eles afirmam que vai cair todo mundo, citam nomes de vários políticos que estariam envolvidos com esquemas de corrupção e acreditam que a única saída é a criação de um pacto para acabar com a Lava Jato

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, os diálogos foram gravados de forma oculta, semanas antes do votação do impeachment da presidente Dilma Roussef. As conversas tem uma duração aproximada de 1h15m e estão em poder da PGR- Procuradoria Geral da República.

Publicidade
Publicidade

Estancar essa sangria

Jucá afirma acreditar que o impeachment realmente vai acontecer e diz para Machado, que assim será possível criar um pacto e "estancar essa sangria", referindo-se a Lava Jato.

Machado se mostra coagido com a possibilidade das investigações que correm contra ele, no STF - Supremo Tribunal Federal em Brasília, sejam enviadas para Curitiba, aos cuidados de Sérgio Moro. Em um dos trechos da conversa ele diz: "O Janot está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. [...] Ele acha que eu sou o caixa de vocês". 

E em um tom velado e ameaçador, Sérgio Machado afirma que precisa ser blindado, por isso é preciso encontrar uma saída, pois, se ele cair na Lava Jato: "Aí fu***. Aí fu*** para todo mundo. Como montar uma estrutura para evitar que eu 'desça'? Se eu 'descer'".

Publicidade

Quando ele diz "descer", se refere a possibilidade de seu processo ser levado para Curitiba.

Neste momento da conversa, ele faz entender que se for preso, vai se ver obrigado a fazer uma delação premiada colocando a cúpula do PMDB no alvo das investigações.

Michel Temer precisa fazer um pacto nacional

Jucá afirma para Machado que Temer assim que assumir a presidência, precisa propor um pacto nacional, "com o supremo, com tudo", afim de silenciar Moro e acabar de vez com a Lava Jato. Machado concorda e diz, "aí parava tudo". E Romero responde, "É. Delimitava onde está, pronto".

Eles querem acabar com todos

Em outro trecho, Machado afirma que a Lava Jato quer acabar com todos. Romero responde de maneira irônica, "Acabar com a classe política para ressurgir, construir uma nova casta, pura".

Sérgio Machado, afirma que a ficha do PSDB ainda não caiu, então Romero diz que caiu sim, de todos, José Serra, Aloysio Nunes, Aécio Neves e Tasso Jereissati, dando a entender que todos estão na mira da Lava Jato.

Publicidade

O ministro ainda afirma que está "Todo mundo na bandeja para ser comido", e que o primeiro a ser "comido vai ser Aécio Neves. E Sérgio conclui dizendo que, "É aquilo que você diz, o Aécio não ganha po**a nenhuma".

Neste trecho da conversa, Romero afirma que nenhum destes políticos tradicionais, vão conseguir se eleger, pois todos estão desacreditados. 

Sérgio Machado afirma que todo mundo conhece o esquema do PSDB, que Aécio Neves não tem condição nenhuma de ser presidente. "Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB"...

E Romero Jucá Concorda dizendo: "É, a gente viveu tudo". #Crise #Crise-de-governo