Em entrevista coletiva ocorrida na tarde desta segunda, o Ministro do Planejamento, Romero Jucá, desmentiu a reportagem publicada tanto pela revista Época quanto pelo jornal Folha de São Paulo que estaria arquitetando, junto com Sérgio Machado, ex-gestor da Transpetro (empresa subsidiária à Petrobrás), uma maneira de obstruir o trabalho da #Lava Jato, operação da Lava Jato que busca acabar com a #Corrupção dentro do cenário político brasileiro.

"Não tenho nada a temer. Se tivesse, não estaria nesse processo da forma como entrei", declarou, em parte de seu pronunciamento, o político filiado ao PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) e que assumiu a pasta depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff (responde a processo de impeachment) para a subsequente entrada, de forma interina, do então vice Michel Temer.

Publicidade
Publicidade

Jucá descarta entregar a função

Com as denúncias, surgidas por intermédio de áudios publicados pelos dois veículos de imprensa, questionou-se a possibilidade de Jucá deixar de fazer parte da atual equipe de Governo. O ministro, porém, descartou entregar a função. Segundo ele, o cargo é de extrema confiança e reafirmou ao presidente Temer o compromisso de exercê-lo na plenitude, enquanto tiver a confiança do mesmo.

"Há muita coisa para fazer e eu vou fazê-lo até o dia que ele entender que eu tenho condição de atender esse papel", complementou.

Para finalizar, Romero disse que não estava desmentido a publicação conjunta da Exame e da Folha de São Paulo. No entanto, o parlamentar acredita que houve uma descontextualização das palavras usadas tanto por ele quanto por Sérgio Machado.

Na reportagem, Jucá e Machado citam o nome de Aécio Neves.

Publicidade

Ambos lembram que o senador filiado ao PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) possui um esquema conhecido por todos e não teria como escapar da Lava Jato. Da mesma bancada, José Serra (atual Ministro das Relações Exteriores) e Aloysio Nunes também foram citados nas gravações, que já estão sob domínio dos membros da Procuradoria-Geral da República. #Dentro da política