Um dos especialistas sobre política brasileira, Gérson Camarotti, fez uma avaliação bastante realista sobre o que vem acontecendo ultimamente. Segundo o analista do G1 e da Globo News, a delação premiada de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro (empresa subsidiária à #Petrobras), pode ocasionar uma transformação drástica no governo do presidente em exercício, Michel Temer.

De acordo com Camarotti, o conteúdo das gravações será menos explosivo depois que Machado for até ao Superior Tribunal Federal para contar a sua versão da tentativa de brecar o trabalho da Lava Jato, operação realizada pela Polícia Federal com o intuito de exterminar a #Corrupção no cenário político nacional.

Publicidade
Publicidade

Ainda conforme o especialista das Organizações Globo, Sérgio Machado deverá atingir quatro grande pilares de sustentação de Temer: Renan Calheiros (presidente do Senado Federal), Romero Jucá (ministro do Planejamento licenciado recentemente), Edison Lobão (ex-ministro de Dilma Rousseff, presidente afastada devido ao processo de impeachment) e José Sarney, um dos homens de maior influência no PMDB. Camarotti revela que o antigo gestor da Transpetro acusou todos os quatro políticos de serem beneficiários diretos do esquema de propina existente na Petrobras.

Em seu blog, Gérson Camarotti escreveu nesta terça, que quem já teve acesso ao conteúdo da futura delação notou outros vários detalhes sobre como o PMDB se beneficiava da lavagem de dinheiro da Petrobras. Essas revelações não se encontram presentes nos áudios de Sérgio Machado.

Publicidade

Na última segunda, a Rede Globo, em seus diversos telejornais, divulgou novas gravações. Nelas, havia conversas de Renan Calheiros com Sérgio Machado e Fabiano Silveira, que, na ocasião, exercia uma função no Conselho Nacional de Justiça. Os três estavam reunidos na casa do presidente do Senado Federal e, assim como em outros episódios, avaliavam o trabalho da Lava Jato e como diminuir a influência da operação.

Após mais essa divulgação, Fabiano Silveira, que ocupava o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, pediu exoneração do cargo. #Dentro da política