O juiz federal Sérgio Moro participou de um evento realizado pelo Fórum Veja, na manhã desta segunda-feira (23), em São Paulo e pode contribuir mais uma vez  em prol do sistema judiciário brasileiro e o apoio às ações da Polícia Federal. O juiz comanda a Operação #Lava Jato em primeira instância em Curitiba, considerada a maior operação investigativa da Polícia Federal no País, em relação a crimes de #Corrupção, além de ser responsável pelas investigações sobre o esquema de desvio de recursos bilionários, provenientes dos cofres públicos da maior empresa estatal brasileira; a Petrobras.

O Juiz paranaense foi enfático ao afirmar que são necessárias ações mais assertivas e não somente retóricas, por parte do #Governo do presidente interino Michel Temer, em relação de propostas que combatam firmemente a corrupção no Brasil, a partir de medidas que endureçam as penas relacionadas a crimes de corrupção, além de iniciativas que favoreçam o destravamento de processos sob o âmbito do Judiciário brasileiro.

Publicidade
Publicidade

O juiz Sérgio Moro assinalou, ainda, que é um equívoco pensar no termo corrupção, em se tratando de partidarismo político e que suas decisões são baseadas em fatos e provas, "seja qual for a cor partidária", declarou. Moro afirmou ainda que diversas ações de combate à corrupção devem também partir do governo federal, através de medidas que evitem essas práticas delituosas e afirmou: "existem iniciativas , inclusive leis, que dependem do governo e que devem ser incentivadas para aprovação", disse.

Moro estava ao lado do ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, que também participou do Fórum. O magistrado do Supremo afirmou que tanto Sérgio Moro, quanto o ex-ministro presidente do STF, Joaquim Barbosa, não seriam considerados "heróis nacionais", se o combate à corrupção fosse "regra no Brasil".

Publicidade

Barroso se mostrou ainda favorável ao fim do foro privilegiado no país.

Pedidos de prisão a Lula

Ao final do debate, o juiz Sérgio Moro foi aplaudido entusiasticamente pelos presentes no evento e ao entrar em seu automóvel, foi cercado por um grupo de fãs que tiravam fotos, além de funcionários do teatro onde o evento foi realizado. Um dos simpatizantes fez um pedido: "está na hora de prender o Lula, hein?", questionou o simpatizante, em relação aos processos na Justiça que envolvem o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Sérgio Moro afirmou que não poderia no momento falar sobre o assunto e que não se pauta pela opinião pública.