O provável substituto do deputado Eduardo Cunha, (PMDB-RJ),  Waldir Maranhão (PP-MA), já assumiu o comando da Câmara dos Deputados após decisão unânime do Supremo Tribunal Federal (STF) que afastou #Eduardo Cunha da presidência da Casa Legislativa, além de afastá-lo também de seu mandato de deputado federal. Vale ressaltar que a decisão da mais alta Corte do país foi caracterizada pela votação de todos os magistrados, de acordo com a posição do ministro relator do processo, Teori Zavascki.

A notificação direcionada ao deputado maranhense, Waldir Maranhão, o pegou de surpresa. Maranhão foi avisado por meio de um oficial de justiça, que esteve em seu apartamento funcional, quadra 302, na Asa Norte de Brasília, por volta das 6h30 da manhã desta quinta-feira (5).

Publicidade
Publicidade

Trajes esportivos

O deputado Waldir Maranhão parecia não acreditar que Eduardo Cunha seria afastado da presidência da Câmara Federal e demonstrou nervosismo assim que recebeu a notícia. O mesmo encontrava-se vestido com calção e tênis, já que se preparava aquele momento da manhã para fazer a sua costumeira caminhada matinal. Atônito, Maranhão ligou para o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) em busca de conselhos, pois Fortes é considerado um dos deputados mais experientes da atual legislatura. De acordo com Heráclitos Fortes, o deputado Maranhão queria saber sua opinião sobre o processo de afastamento de Cunha, e "eu disse para que ele vá a Câmara imediatamente", afirmou, de modo contundente o deputado piauiense.

Waldir Maranhão chegou a Câmara por volta das 10h30 da manhã e dirigiu-se cercado de seguranças para o seu gabinete.

Publicidade

Acomodado em sua poltrona num gabinete decorado com fotos e pertences do deputado Eduardo Cunha, passou a receber deputados federais, já que se tornou o presidente em exercício da Casa Legislativa, com grande probabilidade de ser o titular, embora  exista a chance de que os deputados federais elejam um novo presidente no Legislativo, ou mesmo a oportunidade de que Cunha possa recorrer à decisão do STF. #Governo #Corrupção