A manhã desta quinta-feira (05) começou agitada com a notícia do afastamento do deputado Eduardo Cunha, mas esta não é a única novidade do dia, pois o Supremo Tribunal Federal resolveu arquivar o pedido de investigação contra a presidente Dilma Rousseff a respeito da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Foi Janot que recomendou a arquivação das acusações feitas por Delcídio e o ministro Teori Zavascki atendeu à solicitação.

A petição que pedia a investigação da petista foi então arquivada por Teori Zavasck e a conclusão é de que não há como investigar um chefe do Executivo, por um determinado ato que tenha sido realizado antes mesmo do seu mandato.

Publicidade
Publicidade

Janot só não levou em consideração as acusações feitas recentemente por Delcídio do Amaral, durante sua delação premiada, em que cita a presidente envolvida na compra da refinaria nos Estados Unidos.

Delcídio deu um depoimento ao Ministério Público Federal, onde acusou a presidente de ter total conhecimento a respeito das irregularidades que envolviam a refinaria, mesmo assim, o senador preferiu não envolvê-la diretamente no esquema de #Corrupção.

Entretanto, o arquivamento do pedido de investigação contra #Dilma Rousseff não invalida o já feito por Janot, onde é solicitada uma investigação da presidente da república por ter obstruído, ou ao menos tentado, as investigações referentes à operação #Lava Jato. Aí sim, Dilma está inclusa em um processo que tem investigado as denúncias feitas por Delcídio e ela tentou prejudicar tais investigações, no mínimo, por três vezes.

Publicidade

Delcídio fez várias acusações contra a presidente, sendo que uma delas foi de que Dilma chegou a indicar o ministro Marcelo Dantas para o STJ, no intuito de que assim ele pudesse sempre votar a favor da liberação dos empresários detidos durante as investigações que verificam o esquema de corrupção instalado na Petrobras.

A notícia do arquivamento desta acusação contra Dilma chega acompanhada do afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, motivo em dobro para o PT respirar um pouco mais aliviado.