A última terça-feira (21) foi um dia de comemoração para a deputada Maria do Rosário, do PT. Isso por que foi oficializado o processo dela contra o deputado Jair Bolsonaro do PSC, que será julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

Muito feliz, a parlamentar chegou a se manifestar pelas redes sociais por meio da hashtag ‘BolsoRéu’, e ainda se pronunciou dizendo que a ação é um avanço contra a cultura de estupro no país. “Essa vitória não é só minha, mas de todas as mulheres”, escreveu ela na internet.

A briga entre a deputada Maria do Rosário e o deputado Jair Bolsonaro é antiga, começou no ano de 2003, quando a parlamentar chamou o deputado de ‘estuprador’ em frente às câmeras de TV.

Publicidade
Publicidade

 Para responder as acusações, Bolsonaro disse a Rosário que ele nunca a estupraria por que ela ‘não merecia’. Na ocasião os dois discutiram e quase se agrediram. O deputado chegou a chamar Rosário de ‘vagabunda’ e ela muito nervosa, começou a chorar. Confira o vídeo:

A afirmação de Bolsonaro foi repetida, em meio a ofensas no Senado contra a parlamentar, novamente no ano de 2014. Na ocasião, ele chamou Rosário para relembrar a antiga discussão e ainda a mandou ‘catar coquinhos’, chamando-a de ‘covarde, mentirosa e deslavada’ durante uma discussão.

Ainda no ano de 2014, Jair Bolsonaro, durante uma entrevista, afirmou que Rosário não merecia ser estuprada porque ele a acha ‘muito feia’ e também porque ela não faz o seu ‘tipo’.

Depois de analisar a denúncia da deputada e da Procuradoria Geral da República, por quatro votos a um, a corte entendeu que Bolsonaro, além de incitar a prática do estupro, também ofendeu a parlamentar.

Publicidade

Em defesa do deputado acusado, somente o ministro Marco Aurélio Mello votou contra a abertura da ação penal, enquanto os outros quatro votaram a favor.

Após a decisão tomada pelo STF, o deputado se torna réu pela corte por prática de apologia ao crime e também por injúria. Depois de saber o resultado das votações, Bolsonaro ainda disse que as afirmações ditas a Rosário se tratou de apenas um ‘autorreflexo’ e será preciso informar a sociedade sobre a verdade dos fatos. #Senado Federal #Dentro da política