Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, continua fazendo revelações através de sua delação premiada, e desta vez ele complicou ainda mais a situação da presidente afastada, Dilma Rousseff. De acordo com Cerveró, Dilma mentiu ao afirmar que não estava sabendo da propina que foi comprada em relação à compra da refinaria de Pasadena.

Neste mês, ele poderá deixar a prisão por causa do acordo de sua delação premiada. Entretanto, terá que devolver cerca de R$ 17 milhões aos cofres públicos, sendo que este dinheiro foi desviado da Petrobras.

Cerveró ainda afirmou que Dilma, além de saber a respeito da propina em Pasadena, também sabia que vários políticos do Partido dos Trabalhadores estavam recebendo propina do esquema de #Corrupção que foi instalado dentro da Petrobras.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a assessoria da presidente afastada, em abril de 2014, ela prestou todos os esclarecimentos junto à Procuradoria Geral da República a respeito da compra da refinaria, e que a PGR afastou de vez qualquer suspeita de que ela tenha tido uma conduto culposa.

Tirando o sigilo dos depoimentos da delação premiada de Nestor Cerveró, o ministro Teori Zavascki, do STF, deixa o país inteiro saber das acusações que o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras vem fazendo, como nas partes em que ele citou não só o nome de #Dilma Rousseff, mas também de um filho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e outros políticos, que inclusive já estão sendo investigações pela Polícia Federal na Operação Lava Jato.

Publicidade

Por estar contribuindo com todas estas informações, Cerveró deixará a prisão e fará o ressarcimento dos desvios realizados. Ainda de acordo com Cerveró, ele chegou a contratar uma empresa que está ligada a Paulo Henrique Cardoso, filho do ex-presidente, e na época esta decisão foi tomada sob orientação de Phillipe Reichstul, que era o presidente da companhia.

Sobre Dilma Rousseff, Cerveró afirmou que não havia nenhuma dúvida a respeito da compra da refinaria de Pasadena e que todos tinham plena consciência das cláusulas "put option" e "malin", e concluiu: "Não corresponde à realidade a afirmativa de Dilma Rousseff", se referindo à declaração da presidente afastada que alegou ter aprovado a aquisição da refinaria porque não estava sabendo das cláusulas.

#Crise-de-governo