A Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, comandada pelo juiz Sérgio Moro, recebeu um apoio de "peso" na última segunda-feira (27). Trata-se da Organização não-governamental, Transparência Internacional. Em visita realizada na cidade de Curitiba, sede da força-tarefa que implementou a Lava-Jato, o presidente de uma das mais importantes organizações não-governamentais do mundo, em se tratando do combate sistemático à #Corrupção, José Carlos Ugaz, demonstrou forte apoio às ações da Polícia Federal e do Ministério Público no Brasil. 

Ugaz enalteceu todo o trabalho desempenhado para frear os desvios bilionários dos cofres públicos da Petrobras, considerada a maior estatal brasileira.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, o principal plano da ONG é instalar no Brasil uma representação da entidade, já que a Transparência Internacional não possui presença formalizada no País, desde a década passada.

Após o encontro em Curitiba com o juiz Sérgio Moro e procuradores da força-tarefa da Operação Lava-Jato, além de destacar de modo relevante e positivo, todo o trabalho desenvolvido pela Polícia Federal e Ministério Público, José Carlos Ugaz se encontrou nesta terça-feira (28), com parlamentares em Brasília. 

Medidas concretas contra a corrupção

No encontro realizado com políticos, Ugaz reafirmou  a proposta levada aos parlamentares, em relação à necessidade de aprovação urgente das dez medidas de combate à corrupção, que permanece em tramitação no Congresso Nacional. Ugaz foi enfático: "A corrupção mata. É extremamente necessária a criminalização do enriquecimento ilícito, especialmente no exercício da função pública, inclusive torna-se altamente relevante o aumento das penas de corrupção", afirmou aos parlamentares.

Publicidade

Ainda segundo o peruano que é presidente da entidade que combate a corrupção, a maioria dos países do mundo tomam essas regras como básicas.

A proposta encampada pela força-tarefa da Lava-Jato e Ministério Público, em referência às dez medidas contra a corrupção, obteve a assinatura de mais de 2 milhões de pessoas em todo o País. A Transparência Internacional pretende ainda, instalar um centro de análise anticorrupção no Brasil, além de transformar a Lava-Jato em referência mundial, ao dividir informações com outros países. #Lava Jato #Crise no Brasil