Foi confirmado nesta sexta (24) pelo juiz federal Sergio Moro, o retorno dos processos contra o ex-presidente #Lula para a #Justiça de Curitiba. Tais documentos podem ser muito úteis para as investigações da operação #Lava Jato.

Estão sob investigação as obras milionárias feitas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS, realizadas em imóveis como o apartamento tríplex do Guarujá e o sítio Santa Bárbara em Atibaia que, segundo os relatórios, podem ser de propriedade de Lula.

A volta dos processos para Moro foi uma decisão do Ministro Teori Zavascki, relator da operação Lava Jato no STF.

Depois de ter os processos em mãos, o juiz Moro observou a necessidade de juntá-los aos grampos telefônicos gravados do ex-presidente, exceto o que registrou conversas com Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

“Ressalve-se, o diálogo de 16/03/2016, entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a Exma. Presidente da República Dilma Rousseff, já que invalidado”, afirmou Moro nesta sexta.

A decisão do Juiz de divulgar tais grampos na época foi duramente criticada por Teori Zavascki. Para o ministro, Moro tomou posse de uma decisão que é de competência do STF, ao dar publicidade à gravação que envolvia a então Presidente da República.

No grampo em questão, Lula chamava o STF de “acovardado” e dava a entender claramente que a sua nomeação como Ministro da Casa Civil era uma estratégia para que fosse blindado em relação às investigações da Lava Jato.

Teori ainda se pronunciou dizendo que não caberia a Moro dar ou não dar valor a utilidade da conversa entre os dois. “A violação das competências do STF se deu no mesmo instante em que o juízo reclamado, [...] deixou de encaminhar este ao Supremo Tribunal Federal o procedimento de investigação para análise do conteúdo.  E, o que ainda é mais grave, procedeu a juízo de valor sobre as referências e condutas de ocupantes de cargos [...], assumindo assim, o risco de comprometer seriamente os resultados das investigações”, escreveu Teori.

Publicidade

É aguardada para os próximos dias uma provável intimação de Lula para novo depoimento.