O ex-ministro Ciro Gomes declarou nesta terça-feira, dia 28, em entrevista ao jornal O Globo que seria capaz de planejar e executar um eventual sequestro do ex-presidente Lula caso o juiz Sérgio Moro venha a decretar a sua prisão nos próximos dias. O ex-governador do Ceará também se referiu a qualquer outra autoridade que também venha a optar pela detenção do petista, numa situação que ele considera fora das leis que regem o chamado estado democrático.

Ciro optou por manifestar tal atitude como um gesto de amizade e solidariedade a favor do líder petista, e não descarta a possibilidade de executá-lo, mediante as ações que poderão ser tomadas em relação ao ex-presidente pela Justiça.

Publicidade
Publicidade

O ex-ministro defende que tais ações constituem um direito, frente ao que ele considera como uma medida ilegal e arbitrária, a possível prisão de #Lula. Para tal 'operação', o ex-governador afirmou que deveria ser montada uma verdadeira equipe de juristas para dar apoio jurídico ao seu protegido, além disto, ele deveria ser refugiado em alguma embaixada. A partir daí, o ex-líder sindical mais famoso do país teria condições de articular a própria defesa. Essa ideia foi defendida pelo irmão de Cid Gomes por ocasião da condução coercitiva do antecessor de Dilma para depor na Polícia Federal (PF), em março deste ano.     

Na opinião do ex-ministro, não existem razões na atualidade para que a prisão de Lula possa ser requisitada. Entretanto, ele não poupou nem o petista e nem sua sucessora de várias críticas.

Publicidade

Mais uma vez, Ciro reclamou da conivência moral que Lula estabeleceu no seu governo e que o fez compactuar com vários tipos de políticos. Neste sentido, ele referiu-se ao presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao qual o classificou como uma espécie monstruosa, fruto da leniência do ex-presidente.

Com relação à Dilma Rousseff, Ciro criticou a tentativa frustrada da presidente em tentar nomear Lula como ministro da Casa Civil, a fim de ajudá-lo a escapar do julgamento pela justiça comum. Ele afirmou que o uso de toda a máquina presidencial, na ocasião em que foi visitá-lo em São Bernardo, mostrou um total abuso do cargo por parte da petista. 

Apesar de tentar defender o ex-presidente, Ciro Gomes afirmou que é favorável à condução das operações desenvolvidas pela Lava Jato. Entretanto, ele faz uma ressalva quanto ao fato das prisões temporárias que são  decretadas regularmente e que possuem o único objetivo de forçar as chamadas delações premiadas. Neste ínterim, ele classificou a ida de Lula para depor na PF como uma atitude criminosa e que não se justificava, visto que o mesmo jamais se negara a prestar quaisquer esclarecimentos sobre todo o tipo de denúncia que viesse a surgir. #CiroGomes