Ciro Gomes, ex-ministro e ex-governador do Ceará, volta à cena política mais uma vez  com seu peculiar arsenal de ataques. Desta vez, o irmão de Cid Gomes não poupou o ex-presidente Lula a quem acusou de ter uma moral frouxa e mais uma vez, voltou a atacar de forma contumaz o presidente interino, Michel Temer (PMDB). Tentando emplacar a própria candidatura para 2018, o pedetista também é alvo de críticas da imprensa brasileira, onde é chamado de 'coronel' de política, devido a seu jeito truculento como trata seus adversários. Apesar de sua personalidade forte, seus críticos dizem que ele costuma 'amarelar' frente a seus criticados, como no caso do petista.

Publicidade
Publicidade

Ciro Gomes  tem sido alvo constante de criticas, principalmente por parte de alguns integrantes da imprensa brasileira. Os site de notícias Ceara News 7 e Sul Connection, na última segunda-feira, dia 20 publicaram artigos que tecem severas críticas ao jeito peculiar do ex-ministro de fazer política. Segundo eles, o ex-governador do Ceará costuma atuar como um verdadeiro 'militar' da política ao agir de modo grosseiro na vida pública, sempre agredindo, intimidando e ameaçando seus adversários.Na visão de seus opositores, ele quer passar a imagem de um político confiável para assumir a presidência em 2018.

O ex-ministro também é criticado pela seu comportamento ao longo dos anos na política brasileira. Sua estreia se deu no antigo PDS, partido remanescente da ditadura.

Publicidade

Ele já trocou sete vezes de partido. De acordo com Guilherme Macalossi, do site Sul Connection, Ciro não passa de um oportunista e sempre tenta se adaptar ao partido que está no domínio do cenário político brasileiro. Segundo o mesmo, o irmão de Cid Gomes está longe de ser um esquerdista e não cabe no rótulo de herdeiro político de Leonel Brizola, um dos fundadores do seu atual partido, o PDT.

Em passagem pelo Rio Grande do Sul desde a última segunda-feira, dia 20, para um evento na Faculdade de Economia da UFRGS, Ciro Gomes, ao seu estilo agressivo, fez severas críticas tanto ao ex-presidente Lula, quanto ao interino Michel Temer. Ele responsabilizou unicamente o petista pelo atual quadro de crise brasileira, ao mesmo tempo em que inocenta Dilma e o PT. Na sua concepção, o antecessor da presidente afastada pecou por manter uma moral muito afrouxada e permitir coligações com outros partidos como o PSDB. Segundo Macalossi, o pedetista que costuma atacar pela costas, acaba virando uma 'cabritinha' e treme diante da figura de maior destaque do PT.

Publicidade

Com relação a Temer, o ex-ministro voltou a chamá-lo de chefe de uma quadrilha, referindo-se a todos os políticos que fazem parte de seu #Governo atual. Ele criticou ainda o senador Romero Jucá, o presidente afastado Eduardo Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros, todos do PMDB, como integrantes de um grupo unido para 'roubar os cofres da União'.

Ciro ainda criticou o nível de dependência do país em relação ao capital estrangeiro e disse que Temer está mentindo para a população brasileira, quando fala da necessidade da reforma da Previdência. Segundo o mesmo, tudo o que o país arrecada em termos de receita está vinculado ao setor e o superávit anual é estimado em cerca de R$ 30 bilhões ao ano. #Crise-de-governo #CiroGomes