A advogada de acusação, Janaína Paschoal, interrompeu a fala de uma testemunha da presidente afastada #Dilma Rousseff na sessão da comissão do impeachment. O depoente João Luiz Guadagnin estava respondendo questões do advogado de Dilma, o ex-ministro José Eduardo Cardozo, quando pediu um momento para corrigir uma fala da advogada. Guadagnin disse que "as portarias de equalização tem a mesma redação há 20 anos, pelo direito comparado se vocês juntarem...", nesse instante ele foi interrompido por Janaína. A advogada falou fora do microfone que, como citou a fala dela, ela queria responder também. A senadora Gleisi Hoffmann entrou em cena e falou para a advogada se manter calada, pois ela não tem o artigo 14, que diz que parlamentares têm direito de resposta se forem citados.

Publicidade
Publicidade

Gleisi afirmou que a denunciante do processo não é senadora e deve respeitar isso.

Protestos

Essa atitude da senadora Gleisi Hoffmann causou protestos dos senadores que são a favor do #Impeachment de Dilma. Entre eles, os mais exaltados foram: Ana Amélia (PP-RS), Waldemir Moka (PMDB-MS) e Ataídes Oliveira (PSDB-TO). Moka criticou a postura e falta de educação da senadora Gleisi e ressaltou que Janaína é "nossa advogada".

O presidente da comissão, Raimundo Lira, decidiu dar o direito da advogada falar devido à sequência de constrangimentos. A denunciante do processo comentou que se entristece com o comportamento de certas autoridades, no sentido de que, para as autoridades, não somos nada, "é por isso que o Brasil está desse jeito", disse a advogada. Janaína foi contundente e declarou que não se calará diante de injustiças e autoritarismo.

Publicidade

Mais bate-boca

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) entrou na discussão e pediu para o presidente da sessão manter a ordem solicitando que Janaína não mais desse discurso político. Mais bate-boca aconteceu entre os senadores e Lira teve que parar a sessão por 9 minutos, até que a paz voltasse ao ambiente.

A sessão desta quarta-feira (29) é a última com depoimentos das testemunhas. Ao todo já foram ouvidos 41 depoentes. #Senado Federal