Na quinta-feira (2), o relator da Operação #Lava Jato no Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki acatou o pedido da Procuradoria-Geral da República, tornando pública a delação do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Preso desde janeiro de 2015, Cerveró firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. A previsão é de que a partir do próximo dia 24 ele passe a cumprir pena em prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica. Outra vantagem do acordo é que a condenação máxima, somando todos os crimes, não poderá ultrapassar 25 anos. Cerveró deve devolver mais de 17 milhões de reais aos cofres públicos.

Publicidade
Publicidade

Cerveró acusou Dilma de ter mentido

Em 2006, #Dilma Rousseff era presidente do Conselho de Administração da Petrobras e ministra da Casa Civil de Lula. Na época, Dilma autorizou a compra da obsoleta refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, o que causou um prejuízo de um bilhão de dólares à Petrobras. Em sua defesa, o Planalto alegou que Dilma e outros conselheiros foram induzidos ao erro, devido ao desconhecimento de cláusulas do contrato. Dilma alega que não tinha informações completas, mas, ainda assim, a compra foi realizada.

Consta da delação de Cerveró, que a aquisição ocorreu com "certa pressa", o que, segundo ele, não era um procedimento usual. Ele afirma que Dilma tinha todas as informações sobre a refinaria e que a Diretoria Executiva da estatal aprovou o negócio numa quinta-feira e no dia seguinte foi aprovado pelo Conselho, sem que fosse solicitado nenhum esclarecimento.

Publicidade

Cerveró disse também que conhece Dilma há muito tempo, que ela visitava frequentemente a empresa e "conhecia com detalhes" todas as transações. Quando em 2014 o Tribunal de Contas da União apurava os prejuízos da compra, Dilma responsabilizou os diretores executivos pelo mau negócio, dizendo que nem tudo havia sido informado aos conselheiros.

Quanto ao pagamento de propina aos integrantes do PT, o ex-diretor declarou presumir que Dilma tivesse conhecimento, mas que nunca tratou do assunto diretamente com ela.

Também de acordo com o depoimento, o advogado de Cerveró teria dito que Delcídio do Amaral mencionou que Dilma tinha intenção de livrá-lo da prisão, juntamente com Renato Duque, tido como operador do PT no esquema de corrupção da Petrobras.