Terça-feira (14) foi um dia histórico no Conselho de Ética da Câmara. Finalmente foi dado o voto decisivo no processo de cassação do deputado #Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O processo se arrastou por mais de oito meses, quando o PSOL e Rede entraram com uma representação contra o presidente afastado da câmara, por ter supostamente quebrado o decoro parlamentar. Cunha foi ainda acusado de ter mentido à CPI (Conselho Parlamentar de Inquérito) da Petrobrás em março de 2015, ao negar possuir milhões de dólares depositados no exterior.

O processo já é o mais longo da história da Câmara. A deputada Tia Eron (PRB-BA) dessa vez acompanhou a reunião do conselho e decidiu pelo tão esperado Sim. Antes, porém, criticou colegas e a imprensa.

Publicidade
Publicidade

"Faz nove meses esse processo. Vocês como homens não entendem como é dar à luz. Por isso, chamam 'Cadê Tia Eron?' para resolver os problemas que os homens aqui não foram capazes de resolver", afirmou, mostrando-se bastante contrariada. Ao anunciar o voto favorável, Tia Eron foi aplaudida.

Outro voto que surpreendeu o conselho foi do deputado Wladimir Costa do Solidariedade (SD-PA), que votou favorável a perda do mandato do presidente afastado da câmara. Durante a sessão, o deputado chegou a discursar em defesa de Eduardo Cunha, que é aliado do deputado Paulinho da Força (SD-SP), presidente do seu partido.

O parecer do relator Marcos Rogério (DEM-RO) a favor da cassação do mandato do deputado Eduardo Cunha teve 11 votos favoráveis e 9 contrários. A defesa do deputado tem cinco dias úteis, depois de a decisão da votação ser publicada no Diário Oficial, para recorrer à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), que poderá opinar somente sobre aspectos formais do relatório, e não contra o mérito. 

Foi possível ver cartazes dos deputados, com 'fora, Cunha' durante a votação.

Publicidade

Nas redes sociais também aconteceram manifestações favoráveis à decisão do Conselho de Ética. Entre outras: 'Antes tarde do que nunca'.

São necessários os votos da maioria simples (257) dos 513 deputados para aprovar a perda definitiva do mandato.  A votação será aberta. #Corrupção #Crise-de-governo