No último domingo (5), o site “O Antagonista” teve acesso exclusivo a planilhas do Governo Dilma que mostram repasse aos blogs e sites petistas, feito no ano de 2016. Os donos de cada blog/site recebiam generosos valores para fazer publicidade favorável ao PT.

Verbas publicitárias da Secretaria de Comunicação eram dadas por meio de campanhas de programas oficiais, além dos patrocínios de bancos públicos e estatais - a Petrobras é um exemplo. Tudo isso constava na planilha de repasse.

Os contratos com os bancos chegavam a R$ 11 milhões, contratos esses firmados já na véspera do impeachment. Esses R$ 11 milhões fazem parte de um total de R$ 94 milhões, que eram destinados somente a gastos com a publicidade na internet.

Publicidade
Publicidade

Quando Michel Temer assumiu a presidência, após o afastamento de #Dilma Rousseff, ordenou que fossem cancelados todos os contratos com os blogueiros. O apresentador do "Domingo Espetacular", da Rede Record, Paulo Henrique Amorim, era um dos beneficiários.

Confira a lista de blogs e sites que faziam parte dos benefícios e o valores que cada um recebia:

Lista também divulgada pelo ‘’O Antagonista’’

O Cafezinho: R$ 124 mil, Blog do Esmael: R$ 169 mil, Viomundo: R$ 166 mil, Pragmatismo Político: R$ 219 mil, CGM: R$ 359 Mil, Sidney Rezende: R$ 409,5 mil, Carta Capital: R$ 664 mil, Lupis Nassif: R$ 814 mil (valor recebido por fora do contrato com a EBC), Opera Mundi R$ 83 mil (o jornalista Breno Atman, dono do site Opera Mundi, é ex-assessor de José Dirceu, que está sendo investigado na Lava Jato, especificamente na fase titulada ‘’Carbono 14’’), Paulo Henrique Amorim: R$ 865 mil, Forum: R$ 921 mil, Carta Maior: R$ 921 mil, DCM: R$ 1,11 milhão, Brasil 247: R$ 2,1 milhões.

Publicidade

Como já informado no início do artigo, a Petrobras também ajudava a bancar os generosos valores aos amigos do PT.

Os contratos iriam até o mês de dezembro, mas todos foram devidamente suspensos após a chegar de Michel Temer ao Palácio do Planalto.

Procurado pela imprensa, o apresentador e jornalista Paulo Henrique Amorim não quis se pronunciar sobre o assunto. #Governo #Corrupção