Nessa segunda-feira, 27, foi divulgada uma #entrevista de #Dilma Rousseff à Agência Pública. Na ocasião, a presidente afastada falou sobre o #Impeachment, sobre política e deixou claro que não conseguiram tirá-la do cargo, pois ela ainda é a presidente do Brasil.

Futuro

Quanto ao futuro de Dilma, ela evita ser pessimista e dizer que seu impeachment é irreversível, mas declara que se conseguir voltar, realizará um 'governo de transição', onde fará muitas mudanças.

Dilma também disse que ainda não sabe se irá se defender junto aos senadores que compõem a sua defesa na Comissão Especial do Impeachment e que, no momento, encontra-se avaliando essa possibilidade, não sendo certa.

Publicidade
Publicidade

Nas votações anteriores, a presidente afastada preferiu assistir do Palácio da Alvorada.

Dilma anunciou na entrevista que, nos próximos dias, criará uma 'vaquinha virtual' para poder realizar os seus projetos e, assim, as pessoas poderão custear as suas viagens pelo Brasil. A presidente afastada não foi clara sobre quais seriam os seus projetos financiados pelos militantes do partido. Apenas disse que a ideia é fazer o possível para evitar o impeachment.

Últimos acontecimentos

Dilma se recusou a falar da delação de Marcelo Odebrecht, alegando que a mesma está em andamento. Também afirmou que processará Sérgio Machado pelas acusações feitas. Não disse quando, mas afirmou que quando isso acontecer a imprensa ficará sabendo.

Sobre a prisão de Paulo Bernardo, seu ex-ministro e marido da senadora Gleisi Hoffmann, Dilma preferiu não opinar e afirmou que não faz ideia de como essa situação irá terminar.

Publicidade

Assuntos delicados

Questionada sobre religião e aborto, Dilma preferiu não se pronunciar, alegando que quando não fosse mais presidente ela responderia. Em vários momentos da conversa, Dilma preferiu desconversar e evitar que o assunto se estendesse, alegando que não se muda lei ou decisão do Senado Federal ou do Supremo Tribunal Federal.

Dilma deve depor para a comissão especial do impeachment dentro de duas semanas. Seu julgamento ocorrerá em agosto, em data não definida ainda.