A presidente afastada, #Dilma Rousseff, usou as redes sociais para parabenizar o acordo assinado nesta quinta-feira (23) entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (as FARC) e o governo colombiano, afirmando que é um acordo histórico. Ao fazer um comparativo entre a ação pacífica dos povos latinos-americanos, a presidente publicou em seu Twitter que o atual governo é "provisório, interino e que apresenta consequências nefastas", chegando a dizer que Michel Temer é a parte negativa de sua gestão.

É claro que os internautas não perderam tempo.

Publicidade
Publicidade

Retuitaram e responderam o post da presidente. Os que apoiam o impeachment contra Dilma enviaram mensagens atribuindo à ela a culpa de um país sem emprego, o abastecimento dos caixas do Partido dos Trabalhadores (PT), e da escolha do vice-presidente em sua campanha.

Foram tantas reclamações de pessoas que apoiam o atual governo que aqueles que são contra quase não se manifestaram. E assim como ocorreu recentemente em postagens de Michel Temer no Twitter, as poucas manifestações ficaram abafadas diante dos questionamentos da população.

Apoio à Cuba

Dilma ainda comentou que os brasileiros apoiam o acordo de paz e são amigos de Cuba. Vale lembrar que nesta semana a imprensa noticiou que mais de 600 toneladas das reservas de feijão foram doadas a Cuba. O produto foi doado segundo ação prevista na Lei 12.429, de 20 de agosto de 2011, “que  autoriza o governo federal a doar estoques públicos de alimentos para assistência humanitária internacional”.

Publicidade

Alguns internautas acham que o aumento no preço do feijão no Brasil é culpa desta doação, mas vale esclarecer que o clima foi o principal fator para as altas no preço do produto.

As redes sociais têm sido um grande aliado dos políticos e sobretudo do povo. É possível ver com frequência as postagens de apoio ou repulsa da população diante da posição econômica e manifestações dos políticos.

Erro da imprensa

A presidente postou anteriormente que a imprensa ,ao se antecipar aos fatos, acaba por passar a notícia errada, referindo-se à reportagem de Ricardo Brandt e Julia Affonso sobre a Lava Jato no site do Estadão, na tarde desta terça-feira, 21 de junho. A reportagem afirma que Charles Capela de Abreu teria sido "assessor da presidenta Dilma Rousseff."

A assessoria de imprensa da presidente afastada informou que, ao contrário do que noticiou o site, Charles Capela "não é – nem jamais foi – assessor da presidenta Dilma Rousseff."  #Michel Temer #Dentro da política