A presidente afastada Dilma Rousseff declarou neste sábado, dia 4, que as informações divulgadas pela revista IstoÉ, na qual teria conversado pessoalmente com Marcelo Odebrecht, sobre uma doação para a sua campanha eleitoral não são verdadeiras. Ela negou tais encontros e afirma que está sendo vítima de uma tentativa de calúnia por parte daqueles que querem tentar denegrir a sua imagem e trajetória política em prol dos ideais da democracia brasileira.

A delação de Marcelo Odebrecht que piora a situação da presidente afastada

Após várias tentativas na Justiça de tentar reduzir sua pena, Marcelo Odebrecht conseguiu assinar o termo de delação premiada com a Procuradoria Geral da Justiça (PGR).  Em seus primeiros depoimentos, o empresário afirmou que manteve encontros com Dilma, no qual a mesma cobrou a doação de R$ 12 milhões a título de propina.

Publicidade
Publicidade

Assim sendo, além dos 14 milhões já doados pela empresa para a sua campanha de reeleição, a presidente teria pedido esta quantia 'por fora'. Este fato aconteceu no intervalo de dias em que Dilma saiu do primeiro turno e se preparava para disputar o segundo. As negociações foram feitas por Edinho Silva, ex-ministro que, na época, era o tesoureiro da campanha. Um detalhe curioso é que, segundo o delator, parte da 'doação' seria repassada para João Santana, marqueteiro oficial do PT e a outra parte seria destinada ao PMDB. O ex-ministro negou tal fato e por meio de uma série de declarações afirmou que a sua participação na campanha presidencial era restrito ao cargo de coordenador financeiro. Tais informações mostram que Dilma estava abastecendo o caixa 'dois' de sua candidatura, o que é caracterizado como crime.

Publicidade

Dilma culpa a mídia pela calúnia e difamação sobre sua vida política

A presidente, por meio de sua assessoria, reagiu de forma enérgica às declarações feitas por Marcelo Odebrecht e divulgadas recentemente pelos meios de comunicação. Ela classificou tais afirmações como falsas e mentirosas. Dilma acusou a imprensa de se utilizar de tal fato como um forma de calúnia e difamação contra a sua trajetória política de lutas e defesa dos ideais democráticos e de repressão às práticas corruptivas. A petista criticou a maneira como a mídia atual usa de informações mentirosas em relação à sua pessoa e que se dá pelo vazamento seletivo e intencional dos fatos. Ela ainda afirmou que deverá tomar todas as medidas judiciais cabíveis contra os autores de tais informações, que segundo a mesma, não conseguirão comprovar o que divulgam.

  #Eleições #Dilma Rousseff #Lava Jato