O presidente afastado da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recebeu um duro golpe no fim da tarde dessa terça-feira (14) tendo seus bens e recursos financeiros bloqueados pelo decreto do juiz federal da 6ª vara cível de Curitiba, Augusto César Pansini Gonçalves.

Além do congelamento dos bens, também foi decretada a quebra de sigilo fiscal de Cunha desde 2007. A decisão tomada hoje atende o pedido feito pela Procuradoria da República na ação que foi aberta em 2011 que investiga o suposto envolvimento do peemedebista no esquema de #Corrupção da Petrobras na aquisição do campo petrolífero de Benin, na África.

Na lista de bens que foram bloqueados estão incluídos imóveis, ativos financeiros, valores imobiliários, veículos, cotas, ações e participações societários.

Publicidade
Publicidade

Contas da mulher de Cunha e de outros envolvidos também são bloqueadas

A decisão tomada hoje não afetou apenas Eduardo Cunha, mas também as contas de sua mulher, Claudia Cruz e de João Augusto Henriques, operador do PMDB denunciado no esquema, Jorge Zelada, ex-diretor da Petrobras e do empresário Idalécio de Oliveira.

Outra ação que foi ajuizada nessa segunda-feira (13), pelo Ministério Público Federal é cobrada de Cunha e sua mulher, por improbidade administrativa R$ 80,67 milhões de Eduardo Cunha e R$ 17,8 milhões de Claudia Cruz.

Os valores acima citados correspondem ao crescimento patrimonial ilícito do casal e também ao dano ocasionado ao erário na compra do campo petrolífero da Petrobras no continente africano. Neste último negócio, a suspeita é que o esquema criminoso resultou numa propina de 10 milhões de dólares que foi dividida entre os envolvidos.

Publicidade

Decisão de bloqueio de bens ocorreu minutos após a aprovação do relatório que pede cassação de Cunha

Minutos antes da decisão de bloqueio de bens de Eduardo Cunha e de sua mulher, houve a aprovação do relatório elaborado pelo deputado Marcos Rogério (DEM-RO), que pede a cassação do mandato do deputado peemedebista.

O placar da votação no Conselho de Ética foi de 11 a 9, nesse processo, Cunha é acusado de quebra de decoro parlamentar devido a sua atitude de manter contas secretas no exterior.

O Conselho também analisou a denúncia de Cunha ter mentido sobre a existência das contas no exterior no depoimento que concedeu à CPI da Petrobras que foi realizada ano passado. #Câmara dos Deputados