Nesta segunda-feira (06), o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, participou do lançamento da campanha "Se é público é para todos", que defende a não privatização das empresas públicas.O evento contou com a presença de várias lideranças políticas, intelectuais e sindicais, na Fundição Progresso que fica na Lapa, centro do Rio de Janeiro. Durante seu discurso, Lula citou a importância da descoberta do pré-sal e da aprovação da lei da partilha, e lembrou também da importância da priorização do conteúdo nacional para os investimentos estatais. "Eu me orgulho de ter investido na indústria naval, de ser o presidente que mais investiu e visitou a Petrobrás", declarou em seu discurso.

Publicidade
Publicidade

Lula, as empresas públicas e seu mandato

Em seu discurso, Lula lembrou que as empresas estatais e que várias instituições foram criadas há muito tempo. O Banco do Brasil foi fundado em 1808, o BNDS, a Basa, o BNB e a Petrobrás nas décadas de 40 e 50. Já o SUS foi fundado em 1988.

Em seu discurso em defesa à não privatização das estatais, Lula declara que "somente o estado, só a coisa pública, pode levar aquilo de qualidade que os ricos nunca levaram e nunca vão levar na casa do povo pobre."

Lula defendeu o legado dos seus dois mandatos,"eu sempre quis provar que um peão de quarto ano primário de escolaridade seria capaz. Que conseguiria pensar o Estado brasileiro politicamente melhor que toda a elite que governou esse país 500 anos. Eu queria provar que o pobre não era o problema, que era a solução desse país, à medida que a gente desse uma oportunidade".

Publicidade

Lula lembrou programas sociais como o Luz Para Todos, os subsídios do Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família. "Eu prefiro ser chamado de atrasado, mas eu quero garantir ao povo brasileiro as coisas elementares que todo o ser humano tem direito de ter".

Ex-presidente Lula critica Michel Temer

Em seu discurso, que durou 40 minutos, o ex-presidente Lula fez duras críticas ao atual presidente Michel Temer ao declarar que ele, "não deu um golpe só na democracia, mas também na decisão do Senado", e que, "o ministério que está montado é o do Eduardo Cunha". 

Lula admitiu que houveram erros no governo petista, mas declarou que deseja que Dilma volte para corrigir os erros cometidos pelo PT. #Reforma política