A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) organizou uma animada festa junina para os senadores. Na festa, que "varou" a madrugada, os senadores e deputados tiveram vários momentos de descontração e indiretas. O presidente do Senado, Renan Calheiros, não parava de falar no nome do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Renan se aproximava de vários senadores e, entre um gole e outro, criticava a postura de Janot ao pedir a sua prisão, que, inclusive, foi negada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki.

O presidente do Senado a todo momento mostrava pelo seu celular notícias que envolviam acusações contra sua pessoa e que foram "vazadas" com permissão.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Renan, o procurador da República era responsável por esse "vazamento". Na festa também estava o deputado Tiririca cantando forró e uma fogueira aquecia os convidados, mas o que "ardia" mesmo era a orelha de Janot.

Críticas

A senadora Kátia Abreu também criticou a postura do procurador da República dizendo que ele é "fraco" e suas ações estão sendo derrubadas pelo ministro Teori. As acusações de Janot tem a ver com a delação do empresário Sérgio Machado, que citou Renan, o senador Romero Jucá e o ex-presidente José Sarney como políticos que estavam com planos de atrapalhar e destruir a Lava Jato.

Outro nome envolvido na delação de Machado é o senador Roberto Requião (PMDB-PR), que na festa estava um pouco assustado com esse fato, e comentou para os parlamentares que estava preocupado com a citação de seu nome.

Publicidade

Tropa de choque

Na festa estava presente também a tropa de choque da presidente afastada Dilma Rousseff. A senadora Vanessa Grazziotin pediu para Renan acalmar alguns deputados da ala governista, como Waldemir Moka, tido com um dos "brigões". "Arruma uma namorada pra ele", disse Vanessa. Renan respondeu, entre risos, que estava fora disso.

Renan Calheiros também comentou na festa que não estava brigado com o presidente interino Michel Temer, conforme alguns haviam comentado e revelou que Temer irá retomar a tramitação da chamada "Agenda Brasil". #Corrupção #Michel Temer #Senado Federal