Em entrevista, o coordenador da força-tarefa da #Lava Jato e procurador da República Deltan Dallagnol, falou sobre as operações da Lava Jato e diz ser provável que as investigações sejam paralisadas devido aos "poderosos" da República que conspiram contra. Em gravações flagradas, Curitiba foi comparada a "Torre de Londres" que foi usada como prática de tortura na época, pois fazia com que a vítima, submetida a tratamentos cruéis, dissesse toda a verdade que conhecesse. Dallagnol avaliou que a comparação é absurda, pois todos os colaboradores nas investigações da Lava Jato ganharam prêmios, e mais de 70% dos que colaboraram não foram presos. A porcentagem menor foi daqueles que transmitiam grande risco à sociedade, caso continuassem soltos. 

Dallagnol avaliou que os áudios públicos que vazaram perante a sociedade, mostra que a Lava Jato atinge pessoas de grande poder econômico que acabam reagindo de diversas formas, como, destruindo possíveis provas, emitindo notas agressivas para imprensa, criando dossiês, e até mesmo tentando criar formas legislativas de tentar bloquear as investigações. 

Em conversas gravadas, o presidente do Senado Renan Calheiros, ex-presidente José Sarney e o ex-ministro do Planejamento Romero Jucá falaram claramente em planos para tentar "acabar com a Lava-Jato", todos são do PMDB.

Publicidade
Publicidade

Para Dalton, isso não passaria de especulações, mas as palavras foram ditas pelo presidente do #Congresso Nacional, o que é uma prova de que grandes nomes da sociedade se sentem fragilizados e são contra as investigações. 

Gravações

Dalton Dellagnol avalia que as gravações mostram claramente uma busca para reverter tudo o que a Lava Jato já conseguiu, os envolvidos nos áudios falaram sobre uma nova Lei para tentar romper uma ordem judicial, tudo com o objetivo de diminuir o poder do Ministério Público e Judiciário.

Quando não há com se defender de maneira jurídica, os envolvidos em crimes de corrupção optam pela defesa política. A Lava Jato continua porque a sociedade está a seu favor, o que traz grande força para as investigações, porém é provável que consigam impedir seu processo, devido aos nomes influentes do país que estão do lado oposto das investigações.

Publicidade

Finalizando, Dalton disse que o único inimigo do Ministério Público é a corrupção, e que ele frisa, que o lado correto é o da honestidade e da justiça e esse sempre foi o objetivo da Lava Jato.  #Investigação Criminal