Uma pesquisa recente feita pela CNT/MDA mostra o tamanho do desconhecimento da população brasileira perante o #Impeachment da presidente afastada #Dilma Rousseff. Mais de 80% dos entrevistados não sabiam responder quais eram os principais motivos que levaram uma presidente legítima ser afastada do poder.

Esse número chega ao alarmismo de saber que a grande maioria da população está emergida em um total desconhecimento do principal assunto que rege as manchetes nacionais. Entre os motivos apresentados pelos entrevistados, Dilma teria sido afastada pela corrupção que assola o Governo Federal, e também por uma suposta tentativa de obstrução da presidente durante a Operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Sendo que o verdadeiro ‘crime’ que rege o processo do impeachment da presidente afastada são as faladas peladas fiscais.

Desde que Dilma Rousseff foi afastada do cargo, o seu vice Michel Temer tomou posse do posto de presidente, sendo que muito provavelmente Temer nunca chegaria ao poder através das eleições presidenciais, que acontecem de 4 em 4 anos no Brasil. O atual presidente da pátria não conta com muita aprovação pública, porém, muito poucos entrevistados acreditam que Dilma voltará a comandar o país. 

Os candidatos que sairiam na frente seriam: Luiz Inácio Lula da Silva, Aécio Neves, Marina Silva, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Michel Temer. Mesmo com os recentes escândalos, o PT demostrar um poder popular inacreditável, já que o ex-presidente Lula está em 1° lugar nas pesquisas feitas recentemente se contarmos o primeiro turno.

Publicidade

Até agora parece que o futuro está incerto, não se sabe se Dilma terá força para voltar, da mesma maneira que não se sabe se Temer terá força para ficar. Há cada vez mais pressão para haver novas eleições presidenciais ainda em 2016, e Lula desponta nas pesquisas, e ainda se consagra como uma figura popular que cativa e aflora confiança.

O impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff ainda é uma incógnita, que mais de 80% da população brasileira parece não ter entendido. #Crise-de-governo