A Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores aprovou na noite da última terça-feira (31) uma resolução intitulada de “Não ao Golpe, Fora Temer, Em defesa da democracia, Nenhum direito a menos!”. O encontro realizado em Brasília determinou as diretrizes do discurso do partido e a manutenção do argumento de golpe e governo ilegítimo.

O documento oficial aprovado pelo partido aborda os principais fatos políticos que estouraram nas últimas semanas e que atingiram em cheio o governo interino de Michel Temer. O foco da resolução foram os áudios gravados pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que culminou com a queda de dois ministros recém-nomeados por Temer, Romero Jucá e Fabiano Silveira.

Publicidade
Publicidade

Além da abordagem de condenação do governe e o discurso de golpe, a resolução do #PT também faz um diálogo direto com a militância do partido. A resolução pede que a militância petista se mobilize e convoca para que trabalhe com o objetivo de mudar o resultado da votação no plenário do Senado e salvar o mandato da presidente Dilma.

As primeiras ações do governo interino de Michel Temer também não ficaram de fora das críticas da resolução aprovada pela Executiva Nacional do PT. Um dos principais focos, na visão do Partido dos Trabalhadores, será a redução dos direitos sociais, como corte no Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e programas de educação, como o FIES e ProUni.

A gestão econômica também não foi esquecida. A resolução critica a nova meta fiscal aprovada no Congresso na última semana.

Publicidade

No governo Dilma, o objetivo era um déficit de R$ 96,6 bilhões, no ajuste do governo Temer, a meta foi aumentada para R$ 170,5 bilhões, um acréscimo de R$ 73,9 bilhões.

Por fim, a resolução trata das eleições municipais de 2016. O documento pontua que a militância e que o partido deverá lutar pela manutenção do programa de governo do PT e contra a “agenda regressiva” adotada pelo governo interino de Temer.

Leia aqui todo o documento na íntegra aprovado pela Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores. #Dilma Rousseff #Dentro da política