A Operação Lava Jato, da Polícia Federal, comandada pelo juiz Sérgio Moro, segue a passos firmes na busca de provas para desvendar e punir os políticos, empreiteiros e demais envolvidos nos escândalos bilionários de #Corrupção que desviaram recursos públicos dos cofres da Petrobras, a maior estatal brasileira. Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), através do relator Teori Zavascki, em remeter à Justiça Federal do Paraná os processos que envolvem o ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva, as investigações passam a tomar um rumo que pode ocasionar, até mesmo, na prisão do ex-mandatário do País. O juiz Sérgio Moro apresenta no comando das investigações maior agilidade em relação aos processos da #Lava Jato em primeira instância, em detrimento do foro privilegiado, a cargo da mais alta Corte do País, na maioria das vezes, leniente em suas decisões.

Publicidade
Publicidade

Denúncias podem incriminar Lula

O ex-presidente Lula possui motivos de sobra para se preocupar com os desdobramentos das investigações da Lava-Jato em relação aos processos em que está envolvido. Três denúncias estão sendo formuladas pela força-tarefa para incriminá-lo por atos distintos.

A força-tarefa da Lava-Jato pretende que Lula responda, através de denúncia, por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e também devido a favores recebidos pelas empreiteiras Odebrecht, OAS, além dos depoimentos do pecuarista José Carlos Bumlai, com relação às afirmações e apresentação de provas de que tanto o sítio de Atibaia, no interior paulista, como também o tríplex na praia de Astúrias, no Guarujá, litoral do estado, sejam propriedades do ex-presidente da República, já que um dos fortes indícios, trata-se do transporte de contêineres atribuídos a Lula, para o sítio.

Publicidade

De acordo com as investigações dos procuradores que tratam do caso, cada ato de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro implicaria em uma pena, respectiva, de três anos e dois anos de cadeia, resultando, segundo o Ministério Público, em mais de 15 anos de detenção. Há também outras acusações criminais que seguem sob análise dos investigadores, como favores de empreiteiras e envolvimento de familiares do ex-presidente. Lula pode ate mesmo ser enquadrado como o comandante de todo o esquema de corrupção da Petrobras, de acordo com o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima. Em decisão recente, o ministro do STF, Teori Zavascki, anulou as gravações que envolvem os diálogos entre Lula e a presidente afastada Dilma Rousseff. Já o Instituto Lula nega que tanto o sítio de Atibaia, quanto o apartamento do Guarujá, pertençam ao ex-presidente Lula.