Gleisi Hoffmann foi a personagem que ilustrou essa quinta-feira, 23. Mesmo sem comparecer à sessão da Comissão Especial do #Impeachment, ela deu o que falar durante todo o dia.

Após seu marido ser preso pela #Polícia Federal sob a acusação de estar envolvido em um esquema de corrupção que pode ter tirado até R$100 milhões dos cofres públicos, Gleisi sente-se uma vítima de uma estratégia para desviar o foco do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Ela atacou #Michel Temer e alegou que Paulo Bernardo, seu marido, foi preso injustamente e o governo interino que vive envolvido com desvios quer usá-lo para mudar as opiniões em relação ao processo do impeachment.

Publicidade
Publicidade

Sem sentido

Hoffmann certamente estava tomada pela emoção de ter seu marido preso e por isso declarou algo tão surreal, afinal, qual o interesse do governo interino em mudar o foco do impeachment de Dilma? A presidente já caiu e só volta se conseguir comprar votos no Senado, mas não será uma tarefa fácil. Além disso, se Dilma depender de Cardozo e da bancada esquerdista, que só se atrapalham quando tentam ajudá-la, irá se afundar cada vez mais.

A prisão do ex-ministro de Dilma e Lula

A prisão de Paulo ocorreu na manhã de quinta-feira, 23, em um dia agitado para a PF, que além de prisões, realizou buscas e apreensões em vários locais, incluindo a sede do PT em São Paulo. Um advogado que trabalhou na campanha política de Gleisi também teve a prisão decretada, mas não foi preso, pois se encontra fora do Brasil.

Publicidade

Além do baque pela prisão do marido, Gleisi também ganhou uma resposta aos comentários esquerdistas sobre o encontro de Alexandre Frota com Mendonça Filho, ministro da educação. Frota fez um vídeo e divulgou na internet.

Em pouco mais de dois minutos de vídeo, Frota se defende dos comentários preconceituosos que recebeu e diz que não aceita propina, mas que Gleisi é uma propineira profissional. Também falou da prisão de Paulo e ressaltou que suas mãos não possuem algemas, ao contrário do ex-ministro de Lula e Dilma. Se você ainda não assistiu ao vídeo de Frota rebatendo Hoffmann, assista agora.