Uma pesquisa IBOPE divulgada ontem mostra que o deputado federal Celso Russomano lidera a corrida pela prefeitura de São Paulo. A disputa pela segunda colocação está praticamente empatada .

O deputado Celso Russomano (PRB) está com 26% das intenções de voto. O segundo lugar está indefinido, com candidatos tecnicamente empatados, a margem de erro é  estimada em quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

A senadora Marta Suplicy (PMDB) aparece com 10%, já a deputada federal Luiza Erundina (PSOL) vem na sequência com 08%. As duas já ocuparam esse cargo de prefeita da capital paulista. Já o atual prefeito Fernando Haddad (PT) surge com 7%.

Publicidade
Publicidade

O empresário João Dória (PSDB) foi mencionado, por 6% dos entrevistados. Já o vereador Andrea Matarazzo (PSD) tem 4% das intenções de voto, com o mesmo percentual aparece o deputado federal pastor Feliciano (PSC). O delegado Olim (PP) possui 3%. Os deputados Major Olímpio (SD) e Roberto Tripoli (PV) tem 2% cada.

O prefeito Haddad é o líder no quesito rejeição. Marta é a segunda mais rejeitada e o pastor Feliciano vem em terceiro lugar.

A pesquisa foi realizada entre as semanas 25 e 26, mais precisamente 16 e 19 de junho, com 602 pessoas entrevistadas. 

Fato a se considerar

É importante frisar que esse cenário pode mudar completamente, porque o deputado federal Celso Russomano pode ter a candidatura cassada e ficar inelegível por 8 anos. Ele enfrenta um processo (por peculato, por desvios de recursos públicos pagar uma funcionária particular do seu gabinete) que deve ser analisado pelo Supremo Tribunal Federal, possivelmente até agosto, que é a data limite para o registro da candidatura. 

Portanto, se o Supremo confirmar essa decisão, ele pode ter a candidatura cassada e nem disputar a prefeitura de São Paulo. A assessoria do deputado Celso Russomano não enviou nenhuma nota oficial se pronunciando sobre o assunto até o fechamento da reportagem.

Publicidade

                                                                                           #Eleições #Eleições 2016