A Confederação Nacional do Transporte (CNT) junto ao instituto MDA, divulgou nesta quarta-feira (8), a primeira pesquisa após o afastamento da presidente Dilma Rousseff, que responde pelo processo de 'impeachment' no Senado Federal.

Segundo as pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva (PT) aparece como o favorito entre os outros candidatos, mas, os indicativos apontam vitória somente para o primeiro turno, todavia, o segundo turno deverá acontecer. Significa dizer que, se as #Eleições fossem realizadas hoje, o petista seria eleito para o segundo turno, garantindo a disputa da presidência da República.

Lula abriu uma pequena diferença de votos entre a opinião pública que admite querer vê-lo novamente após dois anos de mandatos consecutivos, ratificando, mesmo sendo citado por diversas vezes na Operação Lava Jato pelos interlocutores das delações premiadas, que o acusam de participação no maior esquema de corrupção e lavagem de dinheiro dos últimos tempos.

Publicidade
Publicidade

As estatísticas sinalizam ainda os números para a concorrência, Lula predomina as intenções de voto com 8,6%, enquanto Aécio chega logo atrás com 5,7%, já a ex-senadora Marina Silva (Rede) vem em terceiro lugar com 3,8%, entretanto, a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) ainda conseguiria se eleger na quarta colocação com 2,3%, na frente do presidente interino Michel Temer que se revela com 2,1%, na mesma colocação o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Outro candidato que ainda pode ser incluído na lista e não confirmou a sua participação como candidato à presidência da República foi ex-parlamentar Ciro Gomes (PDT), que conta com 1,2% votos favoráveis. Em análise aos outros concorrentes não figuraram com percentuais consideráveis à pesquisa. As somas dos outros pretendentes atingiram menos de 1%.

Publicidade

Os votos em branco sugerem 16,7%, enquanto que os indecisos são nada menos do que 54,1%, mais da metade.

Todas as estimativas acima apontam Lula como vencedor do primeiro turno, não significa que seja ele o vitorioso das eleições, pois em uma possível disputa no segundo turno com o candidato Aécio Neves, o tucano levaria a melhor. A mesma coisa ocorre com a candidata do partido Rede Sustentabilidade, Marina Silva que também venceria o petista.

Já com relação à troca de nomes do PSDB para uma possível vitória logo no início, isso não aconteceria, pois segundo dispõe as estatísticas Geraldo Alckmin o então candidato substituto, não agrada o eleitoreiro ficando bem distante de Aécio que possui índices de rejeição menor.

Outra possibilidade apresentada nas pesquisas foram com relação as opções de Marina e Aécio num próspero segundo turno, tecnicamente aconteceria um empate, ou seja, alcançariam 29,7% para o PSDB e 28% para o Rede, com a menor margem de vitória destinada ao tucano. Em outro cenário, Michel Temer não se destacaria em nenhuma das alternativas.

Publicidade

Índices de aprovação do PMDB na presidência

As pesquisas também realizaram um comparativo aos índices de gestão de #Governo entre Dilma e Temer, o qual demonstrou percentuais quase idênticos, apenas com uma leve diferença para o peemedebista com menos de 1% de aprovação do que a petista.

Para essa pesquisa foram entrevistados pela CNT/MDA 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 unidades da Federação entre o período de 2 a 5 de junho. Quanto a margem de erro é suficiente analisar a média de 2,2 pontos percentuais para as diferenças.