O Supremo Tribunal Federal (STF) acatou nessa terça-feira (21) a denúncia da Procuradoria Geral da República feita contra o polêmico deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ). A PGR denunciou que o parlamentar cometeu o crime de apologia ao estupro.

O caso ao qual Bolsonaro terá que responder a #Justiça ocorreu em dezembro de 2014 e envolveu a também parlamentar Maria do Rosário (PT-RS).

Na ocasião, Bolsonaro se irritou com um pronunciamento da deputada, que criticou o período da ditadura militar.

Maria do Rosário disse que o período em que perdurou o regime militar foi uma “vergonha absoluta”, e que homens e mulheres se colocaram de joelhos a ditadura a qual o único intuito era o de forçar as pessoas a desaparecer por meio de sequestros ou assassinatos.

Publicidade
Publicidade

Logo em seguida, Bolsonaro subiu a tribuna para responder Maria do Rosário. Ele citou o primeiro marido da presidente afastada Dilma Rousseff dizendo que o mesmo participou do sequestro de um avião e foi até Cuba, onde ajudou a executar um major alemão.

Ele também citou a morte do prefeito Celso Daniel, e perguntou porque Maria do Rosário não falou desses casos em seu discurso. Logo em seguida, ele acusou a deputada de chamá-lo de estuprador no Salão Verde da Câmara dos Deputados. Nesse momento, Bolsonaro falou a frase a qual está sendo acusado de apologia:

“Há poucos dias você me chamou de estuprador no Salão Verde e eu falei que eu não a estuprava porque você não merece.”

Maria do Rosário e Bolsonaro já se desentenderam em 2003

Bolsonaro a partir de agora se torna réu e terá que se explicar a justiça sobre o seu comportamento.

Publicidade

De acordo com a reportagem da revista Veja, a ação contra Bolsonaro foi protocolada em dezembro de 2014 pela vice-procuradora-geral da República, Wiecko.

Essa é a segunda vez que Bolsonaro se envolve em confusão com Maria do Rosário. Em 2003, os dois bateram boca diante das câmeras e foi amplamente divulgado na mídia.

Na filmagem, o deputado empurra a deputada gaúcha e diz a mesma frase que voltaria a dizer onze anos depois: “Eu só não te estupro porque você não merece”.

Confira o vídeo da discussão que aconteceu em 2003:

#Violência #Casos de polícia