Nesta quarta-feira (15), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva protocolou um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF), que contesta a decisão do Ministro Teori Zavascki, que deliberou toda a matéria que envolve o ex-presidente para a sede da #Lava Jato, sob o comando do juiz federal Sérgio Moro, no Paraná.

Segundo a reportagem da revista "Veja", os advogados de Lula argumentaram que o envio das investigações para a competência de Moro não pode prosperar devido à não "sistematização" dos procedimentos contra o petista, ou seja, os mesmos fatos não podem ser apurados em lugares distintos, haja vista que a Procuradoria-Geral da República (PGR), solicitou a inclusão do nome do petista ao inquérito-mãe da Lava Jato, que tramita no STF, a qual investiga a relação de vários políticos com o esquema de corrupção da Petrobras.

Mas o pedido principal se ateve ao pleito do reexame da deliberação de Teori Zavascki, o qual, segundo eles, não poderia efetivar a decisão de forma monocrática, ou seja, seria necessário o encaminhamento dos inquéritos acautelados para análise do plenário.

Publicidade
Publicidade

Lembrando que, entre as investigações relacionadas ao ex-presidente da república, estão o sítio em Atibaia e o tríplex no Guarujá.

Na ocasião, o Ministro Teori resolveu anular a gravação de áudio que contou com a participação da presidente Dilma em conversa com o ex-presidente, sobre o 'termo de posse para a Casa Civil', que logo foi interpretado como meio de obstrução para atrapalhar as investigações da Lava Jato. Além disso, o telefonema foi gravado após a suspensão da autorização judicial, significa dizer que, futuramente, a conversa poderia ser contestada e, consequentemente, invalidada.

Por fim, nesse interim, Sérgio Moro tem total competência para liderar as investigações que envolvem o ex-presidente Lula. E, mesmo com o recurso protocolado no STF, o juiz federal tem liberdade para continuar cumprindo o seu dever, afinal, o Supremo ainda emítico nenhum parecer sobre o novo requerimento.

Publicidade

#Corrupção