O ex-presidente #Lula aproveitou a sua rápida passagem por Brasília, nesta quarta-feira (8), para tentar uma manobra de reaproximação com o presidente do Senado, Renan Calheiros (#PMDB-AL). Na ocasião, Lula esteve em reunião com Dilma. Aproveitando-se da crise que o atual governo e o partido do presidente interino, Michel Temer, atravessam,  ele tenta salvar a presidente afastada do processo em julgamento no Senado e a sua recondução de volta ao comando do país.

A crise que afeta o partido do governo e pressão da Justiça contra Renan Calheiros

Sabendo das intensas pressões que o atual presidente do Senado, Renan Calheiros, vêm sofrendo por parte da Justiça.

Publicidade
Publicidade

o ex-presidente Lula tenta se achegar ao parlamentar num momento em que fica mais evidente a oposição 'interna' que o senador faz a Michel Temer. O petista fez questão de prestar 'solidariedade' ao político alagoano, que está sendo ameaçado de ter a prisão decretada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido de Rodrigo Janot, da Procuradoria Geral da República (PGR). Por meio de um telefonema, Lula já pediu ao parlamentar que novas reuniões fossem agendadas entre os dois.

A proposta de um grupo de senadores para salvar Dilma passa pela avaliação de Lula

Para não prejudicar a sua tentativa de um diálogo com o presidente do Senado, Lula recusou-se a comparecer a um jantar promovido pelo também senador Roberto Requião (PMDB-PR). Neste encontro, que contou com a participação de 25 senadores, muito dos quais votaram pelo impeachment, saiu uma proposta para que se o processo fosse derrotado naquela casa, Dilma deveria convocar a população brasileira para um plebiscito pedindo a antecipação de eleições gerais.

Publicidade

A proposta, que já tem o apoio da cúpula do PT e dos movimento sociais tidos de esquerda, como o MST (Movimento dos Sem Terra) e MTST (Movimento dos Trabalhadores sem Teto), ganhou a simpatia de Lula, desde que ele possa pôr em prática o seu plano a favor de sua sucessora. A ideia de novas eleições deveria ser derrotada. Com isto, Dilma deverá ser reconduzida ao posto com toda a glória. Falta apenas o 'sim' da interessada em concordar com tais atos.

Lula sabe da crise do governo e da 'fragilidade' de Temer frente à dificuldades encontradas. Na sua visão de estrategista político, um estreitamento de relações com o presidente do Senado, que, historicamente, ocupa a posição de antagonista de Temer dentro dos círculos peemedebistas, deverá contribuir para a sua tese de novas eleições. Apesar de já ter tomado consciência de que a volta de Dilma pode ser uma fato distante, o petista aposta na nova tentativa, e se resguarda de assumir posições compatíveis com seus opositores e contrários a Renan. #Crise-de-governo