Após gastar cerca de R$280 mil em alimentação com o cartão de suprimentos, Dilma teve o mesmo cortado temporariamente. Tal fato deixou os petistas revoltados, que se uniram para criticar o governo interino.

A verdade é que Dilma não ficou sem comida, mas seu cartão foi cortado, possivelmente por gastos excessivos. Entre os dias 13 e 31 de maio, O Palácio da Alvorada conseguiu gastar R$54 mil com esse cartão. O mesmo deveria ser usado para as necessidades básicas de Dilma Rousseff, como sua alimentação diária e de seus empregados e possíveis assessores que vivem na Alvorada.

Nessa terça-feira, 7, #Lula discursou em um evento contra Temer e criticou a medida adotada pelo governo, dizendo que ele não tinha o direito de cortar o almoço do dia e ironizando que terão de comer marmitex por culpa do presidente interino.

Publicidade
Publicidade

Lula ainda disse que o atual governo é obra de Eduardo Cunha e que as pessoas que pediram o #Impeachment de Dilma devem estar envergonhadas por saberem disso. Também disse que sempre haverá pessoas 'mais decentes' do que os ‘coxinhas’ no Brasil.

O ex-presidente e atual investigado da Operação Lava Jato não poupou criticas as ‘elites’ que segundo ele, nunca gostaram da Petrobras, e que ele foi o presidente que mais investiu no Pré-Sal. A Petrobras foi quebrada no maior esquema de corrupção durante o governo de Dilma. Segundo ela, não sabia de nada sobre o esquema do ‘Petrolão’, segundo delatores, ela e Lula sabiam do esquema e se beneficiaram do mesmo.

Durante o evento, que reuniu poucas pessoas na Lapa, Rio de Janeiro, o petista realizou dezenas de críticas e aproveitou para convidar as pessoas para se mobilizarem contra eventuais privatizações, alegando que bancos públicos são do povo e não podem ser privatizados, em referência ao BNDES.

Publicidade

Um novo ato deve ocorrer nos próximos dias. Dilma não confirmou se participará de nenhuma manifestação contra o governo interino, mas deve continuar realizando suas viagens para se defender do impeachment e repetir o seu mantra preferido: ‘é golpe’. #Protestos no Brasil