Os advogados que defendem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entraram com um recurso judicial nessa quarta-feira (15) no Supremo Tribunal Federal para tentar manter as investigações que versam contra o líder petista no STF.

Na última segunda-feira (13), o ministro Teori Zavascki determinou que as ações que envolvem o ex-presidente sejam devolvidos ao juiz federal de 1ª instância de Curitiba, Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação #Lava Jato. No total, 16 procedimentos investigativos voltaram as mãos de Moro com a decisão de Teori.

Parte das investigações já passou pelas mãos de Moro, mas após reclamação da conduta do juiz, as investigações foram tiradas de sua alçada e enviadas a Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

Publicidade
Publicidade

Com a decisão de Teori, Sérgio Moro poderá investigar todas as acusações que atingem #Lula sobre seu suposto envolvimento com empreiteiras que são alvos da Lava Jato, a compra do tríplex no Guarujá e sobre a possível utilização do sítio em Atibaia.

Lula será investigado sobre suposta troca de favores com as empreiteiras envolvidas no maior esquema de #Corrupção da história do país.

Moro apenas não poderá investigar diálogo de Lula e Dilma

A única gravação divulgada na mídia e que não poderá ser investigada por Moro é a conversa entre Lula e a presidente afastada Dilma Rousseff. Na conversa, Dilma diz a Lula que enviaria o termo de posse, no qual nomearia Lula como ministro da Casa Civil.

Teori Zavascki decidiu anular essa gravação entendendo que houve usurpação de competência. A ilegalidade consiste na prerrogativa de foro dos envolvidos e nessa modalidade, somente podem ser investigados após aval do STF.

Publicidade

Advogados também pediram para que seja investigada conduta de Sérgio Moro

Os advogados também pediram para que seja enviado, ao Ministério Público Federal, a decisão tomada pelo ministro Teori Zavascki, que aponta ilegalidade na divulgação dos áudios telefônicos das conversas envolvendo Lula e diversos políticos.

A intenção com o pedido de encaminhado, ao Ministério Público Federal, é investigar se não cabe denúncia contra Sérgio Moro, responsável pela divulgação dos áudios na grande mídia.

Os advogados querem que seja investigado se houve abuso de autoridade e também crime de interceptação ilegal por parte de Moro.