O presidente interino Michel Temer afirmou nesta terça-feira (21), em entrevista à Globo News, que #Dilma Rousseff não quer governar.  A surpreendente declaração foi dada ao jornalista Roberto D´ávila. Temer fez o comentário ao responder à pergunta do jornalista sobre a possibilidade de Dilma, caso escape do impeachment, convocar um plebiscito (em outubro) perguntando à população se deve haver a antecipação da eleição presidencial. De acordo com o presidente interino, ao pedir novas eleições, Dilma demonstra que deseja voltar para depois não governar. O jornalista perguntou, então, se Dilma teria governabilidade para presidir o país. Temer replicou que não saberia responder isto, mas insistiu: "se quer voltar para fazer novas eleições, então é porque não quer governar".

Publicidade
Publicidade

O presidente também disse que Dilma não é vítima de nenhum golpe. De acordo com ele, o impeachment da presidenta aconteceu em acordo ao que diz a constituição brasileira. Ainda se esquivou de qualquer responsabilidade sobre o cenário político que levou ao afastamento da Dilma. Disse que não traiu ninguém e nem se movimentou para que o impeachment acontecesse.

Entretanto, nos meses que antecederam ao impeachment, #Michel Temer foi bastante ativo nos bastidores do Palácio do Planalto. Em dezembro de 2015, enviou uma carta aberta à Dilma Rousseff, em que fez um desabafo. Reclamou de ser um vice decorativo, pedindo maior protagonismo; se queixou por não ter sido chamado a participar de estratégias econômicas; mostrou-se irritado por Dilma ter demitido um aliado político; e reclamou até mesmo de não ter sido convidado para uma reunião com o vice-presidente dos Estados Unidos, da qual Dilma participou. 

Alguns meses depois, em abril, passou vergonha ao gravar um áudio em que discursava como se o impeachment já tivesse sido aprovado.

Publicidade

O áudio vazou e a imprensa deu ampla notoriedade à gravação. Nela, Temer fala que o processo de impeachment será longo, mas faz um "discurso de vitória". Dilma Rousseff só foi afastada da presidência cerca de um mês depois.