O Movimento Brasil Livre enganou, neste domingo, mais de 300 mil pessoas em seu perfil no Facebook. A organização divulgou um vídeo de Dilma caminhando em direção a um carro, enquanto na rua algumas pessoas gritam "Fora". Na descrição do vídeo, o MBL explica o que está acontecendo: "Dilma foi expulsa de uma pizzaria. O Brasil não quer saber mais do PT". Veja o vídeo:

Apesar de mostrar que a presidente afastada realmente não goza de muita popularidade, a postagem do Movimento Brasil Livre tem um problema: é falso. O vídeo não exibe #Dilma Rousseff sendo expulsa de uma pizzaria. O que ele mostra, na verdade, é Dilma saindo da casa do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que está lutando contra um tipo raro de câncer chamado de  linfoma não-Hodgkin.

Publicidade
Publicidade

MBL coleciona polêmicas

A ofensiva anti-ética do MBL acontece poucos dias após o portal Universo Online revelar que o movimento, supostamente apartidário, recebeu dinheiro de partidos políticos para realizar manifestações pelo impeachment de Dilma. O PMDB de Michel Temer, principal beneficiário político do impeachment, pagou R$ 20 mil para a impressão de panfletos convocando a população às manifestações. Outro partido que fez uma parceria com o MBL foi o Solidariedade, responsável por convocar a população para o impeachment utilizando carros de som. Por fim, um áudio obtido pelo Uol mostra que Movimento Brasil Livre e o PSDB acertaram uma parceria para pagar a viagem de manifestantes a Brasília, incluindo lanche e transportes. O PSDB confirmou que as negociações realmente ocorreram, mas diz que a parceria não chegou a se concretizar.

Publicidade

Líder do Movimento na mira da justiça

Um dos líderes do Movimento Brasil Livre, Renan Antônio Ferreira dos Santos, está envolvido em 16 ações cíveis e mais de 45 ações trabalhistas, todas como réu. As acusações envolvem fraudes, sonegação fiscal, calotes e pagamento de danos morais. Somadas, as ações pedem que Renan pague cerca de cinco milhões de reais aos seus acusadores. Ele diz que todas as 60 ações são infundadas. Vale lembrar que um dos objetivos declarados do MBL é lutar contra a corrupção.  #Protestos no Brasil