Um grande "susto" tomou conta do ambiente petista, segundo informações do Jornal Folha de São Paulo. Uma sondagem interna do #PT para saber a intenção de voto dos eleitores da cidade de São Paulo, frustaram as expectativas do partido. O topo da lista estava, nada mais nada menos, que o juiz federal Sérgio Moro com 14% das intenções de voto, seguido por Marina Silva (Rede-AC) com 12% das intenções.

O ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva ficou com o terceiro lugar com 11% e logo atrás dele vem o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin com 10% e o ministro das Relações Exteriores no governo Temer, José Serra, com também 10%.

Publicidade
Publicidade

Outros políticos que foram lembrados foi o ex-ministro Ciro Gomes e o deputado federal Jair Bolsonaro, com 4% e 3% respectivamente.

Sede do PT

Investigadores da Polícia Federal apreenderam, nesta quinta (23), computadores, documentos e outros materiais que estavam localizados na sede do Diretório Nacional do PT, em São Paulo. Essa é a 18° fase da Operação #Lava Jato, chamado de Operação Custo Brasil.

O presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, estava em Brasília e hoje mesmo voltaria para São Paulo para comentar os fatos e decidir quais os caminhos tomar.

Objetivo da Operação

A Polícia Federal disse que o objetivo desta Operação é investigar o pagamento de propina de funcionários e agentes públicos ligados ao Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão. O valor chega a R$ 100 milhões em contratos de prestação de serviços.

Publicidade

Os crimes são caracterizados em corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O ex-ministro do Planejamento do governo Dilma Rousseff e Lula, Paulo Bernardo, foi preso nesta Operação e deverá esclarecer detalhes aos investigadores. Bernardo é marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Outro ex-ministro que também terá que dar depoimento é Carlos Gabas. Ele foi ministro da previdência no governo Dilma. 

O jornalista Leonardo Attuch, que já havia aparecido nas investigações da Lava Jato, voltou a ser alvo da PF. Ele é acusado de receber dinheiro por trabalhos não realizados.