O trabalho desempenhado pela força-tarefa da Polícia Federal, batizada de Operação Custo Brasil, ocasionou uma descoberta assombrosa, com referência à #Corrupção desencadeada por uma das siglas mais presentes nos últimos anos da vida política brasileira: o Partido dos Trabalhadores (#PT)

De acordo com as investigações da última quinta-feira (23), membros da força-tarefa da Polícia Federal estiveram realizando busca e apreensão na sede nacional do PT, no centro da capital paulista. O partido político que em outros tempos gabava-se de ser "baluarte da ética", desta vez encontrava-se em maus lençóis, com a presença de policiais federais às suas portas.

Publicidade
Publicidade

Os desdobramentos das investigações da Operação Lava-Jato e por consequência, da Operação Custo Brasil, verificaram através de toda a gama de investigações, que a sigla agiu conforme "organização criminosa", segundo afirmações dos investigadores federais. Já na madrugada de quinta-feira passada, homens fortemente armados da Polícia Federal, estiveram à sede do Diretório Nacional do PT, em São Paulo, com posse de mandados judiciais. Os agentes federais estavam à procura de provas robustas contra uma quadrilha, que em aproximadamente cinco anos, subtraiu dos cofres públicos, uma quantia exorbitante, de mais de 100 milhões de reais, em mais um mega esquema de corrupção e distribuição de propinas.

'Assalto" aos funcionários públicos endividados

O que causa enorme surpresa é o fato de que as mais recentes descobertas não são relativas aos escândalos de corrupção da Petrobras, Eletrobras e Fundos de Pensão de Estatais.

Publicidade

Trata-se de desvios de de dinheiro de milhares de funcionários públicos ativos e inativos de todo o País, principalmente aqueles mais necessitados de ajuda governamental, já que os recursos foram retirados de pessoas, na maioria das vezes, extremamente endividadas.

A orientação dada aos agentes federais, era que a busca de pistas e provas de corrupção, se concentrasse na procura por cofres e até mesmo, compartimentos secretos, em que seriam utilizados como esconderijo para documentos e dinheiro, já que de acordo com as investigações, um dos empreiteiros afirmou que entregava malas de dinheiro na sede partidária. Os desdobramentos das apurações constataram que o esquema criminoso de corrupção teve origem no Ministério do Planejamento, durante os governos Lula e Dilma, sob a chefia do ex-ministro Paulo Bernardo, que foi preso durante a Operação Custo Brasil. Os grandes alvos do esquema de corrupção eram os aposentados, pensionistas e funcionários públicos que recorriam a empréstimos consignados para saldar suas dívidas altíssimas.

Publicidade

A irrigação do PT com o desvio dos recursos públicos ocorria de modo que a cada 1 real empregado pelos funcionários endividados, 0,70 centavos eram destinados aos cofres do partido.

Senadora Gleisi Hoffmann implicada

A senadora petista do Paraná, Gleisi Hoffmann, também pode ter aproveitado do dinheiro desviado juntamente com seu marido Paulo Bernardo, de acordo com documentos que fazem a comprovação, segundo os investigadores. Descobriu-se que o dinheiro desviado serviu para pagamento de motorista da senadora, além de aluguel de um loft em Curitiba, salários de funcionários e multas eleitorais. #Lava Jato