Em entrevista dada ao portal Diário do Centro do Mundo, Ciro Gomes (PDT) sugeriu que se por alguma hipótese o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva seja colocado em "prisão arbitrária", ele colocaria em prática a ideia de um "sequestro" para que Lula se livre da prisão. 

O "sequestro" citado por Gomes, significaria fazer um grupo de juristas que iriam assessorar mostrando que Lula é vítima de uma "prisão arbitrária" e Ciro afirma que "a gente vai lá e sequestra ele e entrega ele numa embaixada. Isto eu topo fazer”. Ciro Gomes acredita que o ex-presidente é vítima e não tem culpa por nenhum dos crimes a qual está sendo acusado nas investigações da operação #Lava Jato, e acha ainda ser impossível acontecer uma prisão, em suas palavras, "porque ele não tem culpa". 

Ciro Gomes que é pré-candidato a Presidência da República, criticou a postura do juiz federal Sérgio Moro, o qual já foi homenageado e prestigiado pelo seu trabalho com a Lava Jato; Gomes afirma que as prisões que acontecem na operação que envolve o Ministério Público, é de um movimento fascista e injurídico, e classificou as delações premiadas como uma "tortura".

Gomes assim como o Partido dos Trabalhadores, acredita que estão à margem da Lei e que sofrem um "golpe", a Lava Jato já deflagrou várias operações e prisões envolvendo nomes de grandes políticos, e hoje se inicia mais uma etapa.

Publicidade
Publicidade

Nova etapa da Lava Jato

Nesta terça-feira (28), a Lava Jato se iniciou em mais uma etapa na qual foi apelidada de "Operação Boca Livre", serão cumpridos 37 mandados de busca e apreensão que ocorrem nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e 14 mandados de prisão temporária. 

O objetivo da operação é capturar desvios na Lei Rouanet, no qual investigadores apontaram que um grupo criminoso conseguiu desviar recursos que chegam a R$ 180 milhões, a "Bellini Cultural" é um dos alvos de suspeitas, a empresa é responsável por promover shows de grandes artistas como Roberto Carlos e é uma grande captadora de recursos do governo federal. 

A Polícia Federal investiga até recursos utilizados em casamentos e festas particulares, vindos do dinheiro público, através da Lei Rouanet.  #Corrupção