Defensores dos #Animais e políticos de Santo André, município da região metropolitana de São Paulo, estão revoltados com o prefeito Carlos Grana do #PT.

O motivo é que devido as constantes cenas de cavalos e burros sendo vitimas de maus tratos, bem como sendo atropelados nas ruas da cidade, uma PL que proibia o uso de carroças foi aprovada por todos os vereadores da Câmara, entretanto, o prefeito decidiu passar por cima da decisão dos políticos e vetou o projeto.

O texto da lei proibia veículos de tração animal, bem como o uso de animais para puxar carga e montar em cavalos nas vias públicas da cidade, ou seja, nas ruas e avenidas.

Publicidade
Publicidade

O principal objetivo era preservar a vida dos animais e evitar os maus tratos, que aumentaram consideravelmente na cidade, e que por sua vez é 100% urbanizada, não possuindo zona rural.

Justificativa do 'companheiro' do PT

O prefeito petista ficou indignado com a aprovação do projeto, alegando que ele jamais deveria ter passado pela Câmara. Como justificativa, estão os gastos. Carlos acredita que as proibições gerariam 'inegáveis' custos à prefeitura e para evitar os gastos 'desnecessários' decidiu vetá-lo. Além disso, considerou a PL inconstitucional.

Contradição

O mais incrível é que toda a base do #Governo petista votou a favor do projeto e o prefeito ou seus aliados em nenhum momento manifestaram qualquer objeção ao mesmo, pegando todos de surpresa com o veto. Dias antes da PL ser votada em Santo André, a cidade vizinha do ABC Paulista, São Bernardo, já havia aprovado lei do mesmo tipo.

Publicidade

Arlindo José, que é secretário do governo de Grana, sugeriu que o projeto passe por alterações e seja apresentado novamente. José também não disse quais seriam os gastos do município, apenas ressaltou que de acordo com a previsão da lei, as pessoas que utilizam cavalos e mulas para o lazer nos finais de semana também seriam afetadas.

Além disso, salientou o secretário, há as romarias que ocorrem uma vez ao ano, onde muitas pessoas utilizam-se de cavalos. Para participar das romarias com os cavalos é preciso autorização da prefeitura.

O projeto vetado abria exceções para as procissões, o Exército e a Polícia Militar, não havendo qualquer sentido a justificativa do secretário do governo. O projeto previa ainda multa para quem a infringisse e recolhimento do animal em caso de reincidência.

O que você acha dessa situação? Concorda com a atitude do prefeito? Deixe a sua opinião através de um comentário.