O presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, voltou atrás na sua decisão de suspender as sessões de votação durante essa semana.

Difícil é explicar qual foi o relato que Maranhão fez para o Secretário-Geral da mesa diretora da Câmara, Sílvio Avelino. Waldir disse que foi muito pressionado pelos deputados, diante da notícia da repercussão negativa de que o parlamento ficaria mais de 10 dias sem sessões no mês de junho, por conta das festas juninas. Ainda disse que ele iria suspender as sessões na segunda e na terça-feira. E pediu ao Secretário-Geral que telefonasse ao deputados, convocando-os para estarem nesta semana, já para participarem das sessões.

Publicidade
Publicidade

Rodrigo Maia (DEM-RJ) relatou que conversou com Maranhão. Assim como vários líderes parlamentares também conversaram com Waldir sobre essa decisão.

Esse recuo de Maranhão acontece depois de uma fala, do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Essa suspensão seria uma espécie de desgaste para o #Governo, para o Palácio do Planalto, para a imagem do Congresso em meio essa crise política e econômica, porque o governo tem interesse em aprovar medidas econômicas, também em avançar em pautas pendentes, como o projeto que tornam mais técnicas as indicações, para os fundos de pensão. Esse projeto tinha previsão de ser votado nesta semana, porém, com a suspensão das sessões, não poderá acontecer a votação.

Caso parecido

Assim que Maranhão assumiu a integridade da Câmara, ele chegou a anular a sessão do impeachment (que aconteceriam de 15 à 17 de abril) e, depois recuou dessa decisão.

Publicidade

Lembrando que essa sua decisão foi muito questionada pelos parlamentares. Waldir chegou a conversar com o Flavio Dino governador do Maranhão que, pertence a um partido que é aliado ao PT que, é o PCdoB.

Depois ele entrou com uma consulta na Comissão de Constituição e Justiça, sobre o processo envolvendo Eduardo Cunha, referente à cassação de Cunha. Poderia beneficiar o presidente afastado, porém, também recuou da decisão. Cunha chegou a declarar que essa decisão de Maranhão, era contra as regras da Câmara. #Impeachment #Michel Temer