No final desta manhã de quarta-feira, (29), aconteceu o anúncio do reajuste do programa Bolsa Família e a liberação de recursos na área de educação básica e superior. No entanto o assunto foi acrescentado na pauta antes do inicio da cerimônia, apesar de não estar incluído na agenda oficial do presidente interino, #Michel Temer.

Durante a cerimônia realizada nesta quarta-feira (29), em Brasília, o Presidente da República em exercício Michel Temer e o Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, informaram que será efetuado um aumento no programa Bolsa Família.  Essa notícia vai de encontro a uma crítica recebida pelo governante, que dizia que o Presidente iria reduzir até R$ 36 milhões do Programa.

Publicidade
Publicidade

Um total de 13.805.497 de beneficiários receberão reajuste de aproximadamente 12,5%. Segundo informações, esses valores serão pagos ainda no próximo mês de julho. 

É importante ressaltar que, a partir desse decreto, as pessoas que vivem na linha de extrema pobreza e na pobreza no país serão as mais beneficiadas, pois as da extrema pobreza que vivem com renda per capta de R$ 77,00 passarão a ter R$ 85,00 por mês e consequentemente a linha da pobreza que o valor é de R$ 154,00 passarão para R$ 170,00.

Haverá um impacto com aumento do beneficio na folha de pagamento da ordem de R$ 2,5 bilhões. No entanto, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social, já houve um planejamento de modo que foram reservados pelo #Governo os recursos necessários para os gastos previstos.

Temer enfatizou durante o seu discurso a importância de dar continuidade ao programa Bolsa Família nesse momento.

Publicidade

Porém o ideal é que as pessoas não precisem mais usar o programa futuramente, e que tenham condições de manter a o próprio sustento através do de um trabalho digno. Também falou sobre a existência das diferentes classes sociais no Brasil.

Ele ainda ressaltou que o emprego é o primeiro direito social do cidadão e, portanto, o governo vai trabalhar ativamente para conseguir a redução do desemprego no país. Mas que não pode esquecer os temas sociais e da educação.