Com Dilma Rousseff afastada da presidência da república, partidos de oposição demonstram que não são tão opositores assim quando possuem interesses em comum com a esquerda. A bancada liderada pelo #PSDB, do qual todos os deputados e senadores do partido votaram pelo impeachment de Dilma, bem como o PPS e DEM, começaram a negociar com a antiga base do governo petista.

O diálogo entre os antigos rivais começou na quarta-feira, 8, onde os antigos 'direitistas' negociaram apoiar o projeto de novas eleições internas apresentado por Roberto Freire do PPS-SP, em troca de voto de apoio para o afastamento definitivo de Eduardo Cunha.

Publicidade
Publicidade

Para que esse projeto seja aprovado, são necessários 257 votos, o que a bancada liderada pelo PSDB influenciará com seus 119 parlamentares, mas ainda assim, contará com outros deputados do centrão para conseguir a aprovação, pois a esquerda detêm só 90 votos.

O #PT está receoso de aceitar a proposta, pois teme que o objetivo seja tirar Cunha da Câmara a fim de protegê-lo de uma eventual cassação no Conselho de Ética, o que permitiria que ele se candidatasse nas próximas eleições. Além disso, por Maranhão ter votado contra o impeachment de Dilma, a esquerda ainda acha mais viável mantê-lo na presidência interina da Casa, o que não impede que as negociações continuem.

Uma nova reunião para discutir o tema está agendada para a próxima semana, onde o PSDB e cia tentará convencer a esquerda de apoiá-los na proposta.

Publicidade

Que direita é essa?

Por muitos anos e graças aos rótulos criados pela esquerda, muitas pessoas se sentiam intimidadas em dizer que eram de direita no Brasil, de forma que até hoje não surgiu nenhum partido completamente direitista, sendo que os partidos sempre se aliam aos seus supostos opositores quando há um interesse maior.

Atualmente, alguns deputados do PSC, como Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro e Marco Feliciano têm se destacado como políticos de direita, o que tem aumentando a popularidade de ambos, em especial de Jair, que é cotado pelo partido para candidatar-se às eleições presidenciáveis de 2018.

Após duas pesquisas seguidas mostrarem Jair Bolsonaro em evidente crescimento em eventuais eleições, dados tendenciosos surgiram dizendo que Lula seria eleito presidente da república, entretanto, internautas discordam do resultado e não veem transparência na pesquisa e impossibilidade da vitória de Lula, seja por já estar preso nas próximas eleições ou pelo simples fato de sua popularidade ter caído consideravelmente com a denúncia do MP-SP e as investigações da PF.

O que você acha dessa aliança política? Concorda ou discorda? Opine deixando um comentário. #Câmara dos Deputados