Na última semana, Sérgio Machado revelou que, no ano de 1998, houve um esquema de propina por parte do PSDB para engrossar a bancada na Câmara dos Deputados, facilitando assim a intenção de #Aécio Neves de presidir o departamento em 2001. Ao tomar conhecimento de tal denúncia, o agora líder do partido no Senado Federal negou de forma veemente e acusou o ex-gestor da Transpetro de dissimulado. No entanto, reportagens do jornal carioca O Globo daquele período são totalmente desfavoráveis ao político mineiro.

Conforme demonstrou o blogueiro Lauro Jardim na versão eletrônica do periódico desta terça, Aécio, contando inclusive com o apoio de Sérgio Machado (também peessedebista naquele ano), colocava-se como candidato à presidência da Câmara, ameaçando um pacto de aliança entre membros do PFL (atual DEM) e do PMDB, dois dos principais alicerces do então governo Fernando Henrique Cardoso.

Publicidade
Publicidade

Os alvos do neto de Tancredo Neves eram Michel Temer, que na época respondia pela Câmara, e o já falecido Antônio Carlos Magalhães (ACM), presidente do Senado.

No dia 15 de outubro de 1998, Aécio concedeu entrevista ao jornal O Globo e insurgiu-se contra Temer e ACM: "O PSDB tem o dever de participar dessa discussão. Queremos um projeto para a Câmara. Somos o segundo partido da casa e não há o menor sentido em aceitar um acordo feito antes desta eleição. Além disso, não vejo essa vinculação entre a presidência da Câmara e do Senado".

Novamente questionado, o candidato derrotado nas últimas eleições presidenciais voltou a dizer-se inocente e reafirmou que Sérgio Machado jamais ocupou um cargo no PSDB que pudesse obter vantagens. "Especulações sobre candidaturas são absolutamente normais e fazem parte da política.

Publicidade

Minha eleição para a presidência da Câmara em 2001 se deu graças a uma grande articulação política, conhecida por todos, que uniu PSDB e PMDB", afirmou.

Respondendo por supostamente arrecadar fundos de maneira ilícita para eleger 50 deputados tucanos, Machado vem contribuindo na delação premiada da Operação Lava-Jato da Polícia Federal, citando a participação de vários políticos em esquemas de #Corrupção, dentre eles, o atual presidente em exercício Michel Temer. #Lava Jato