Uma conhecida revista semanal de notícias dos Estados Unidos, por meio do seu correspondente sediado na cidade do Rio de Janeiro, Matt Sandy, sugere em reportagem que a presidente da República do Brasil, Dilma Roussef, eleva as suas chances de retornar ao poder no Planalto Central, principalmente devido a uma série de "choques políticos" vivenciados pelo interino #Michel Temer, governo esse muito questionado por parte dos brasileiros. 

São novas “crises” sucessivas ou que parecem não terminar junto a Temer e seus aliados, salienta a matéria jornalística, tais como: a apresentação da equipe de ministros sem um único representante negro ou alguém do sexo feminino; a saída do Ministro do Planejamento, Romero Jucá, após ser pego em um “grampo” telefônico no mínimo questionável; o Ministro da Transparência, Fabiano Silveira, que também não chegou a esquentar a cadeira; e o atrapalhado fim e recriação dias depois do Ministério da Cultura.

Publicidade
Publicidade

Os acontecimentos negativos não param por aí, pois de fato, o país está literalmente mergulhado em um lamaçal de corrupção conforme atestam as solicitações de prisão por parte do Ministério Público Federal para líderes de peso do partido de Temer.

Alguns desses dirigentes são o já mencionado Jucá, Renan Calheiros, presidente do Senado, Eduardo Cunha, que se encontra afastado da presidência da Câmara dos Deputados e, por fim, o idoso José Sarney, que já foi presidente e senador.

Com tantas mazelas e provas contundentes contra o PMDB e seus principais representantes, a revista norte-americana atreve-se a afirmar que #Dilma Rousseff talvez consiga passar ilesa pela votação do #Impeachment no Senado, agendado para depois dos controversos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, em agosto.

Matt Sandy ouviu especialistas em política do Brasil que acreditam na continuidade do período de instabilidade e diminuição da confiança de que realmente Temer está apto para manter a liderança da retomada de crescimento do Brasil, até mesmo porque ocorre neste momento o quadro de recessão mais grave desde a década de 1930, fazendo com que o PIB tenha recuado 5,4% em 2015.

Publicidade

A revista termina a reportagem indagando se será possível a união definitiva dos rachados, politicamente falando, em torno de assuntos urgentes para a sobrevivência nacional, como os temas econômicos espinhosos e a reforma da previdência, muito embora o próprio Congresso, diante de um cenário tão desolador, tenha concedido ao funcionalismo um aumento na ordem de 41%. 

Alguns Senadores da República estão ameaçando “mudar de opinião" no que diz respeito ao afastamento da presidente Rousseff, entretanto é importante deixar claro que as cenas dos próximos capítulos do momento político histórico pelo qual o país atravessa estão diretamente atreladas ainda à Operação Lava Jato, principalmente com relação às denúncias do principal executivo de uma construtora, Marcelo Odebrecht, acusado de ter financiado ilegalmente as eleições de 2014.

Fato é que muitos países ainda não engoliram a ascensão de Temer como presidente, mesmo que interino; os problemas sociais da nação parecem se multiplicar e as famílias brasileiras se sentem impactadas diante de tantos acontecimentos negativos, impulsionando cada vez mais a onda de protestos contra o governo interino.

Publicidade