Uma notícia surpreendente foi divulgada na tarde dessa sexta-feira (17) e deixou todos os habitantes do estados do Rio de Janeiro estupefatos com a grave situação que o estado do Rio de Janeiro se encontra. O governador do Rio decretou estado de calamidade pública devido à grave crise financeira na qual o estado se encontra.

Uma das razões apontadas pelo governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles (PP) estão os compromissos assumidos para cumprir as exigências de infraestrutura para que sejam realizados os jogos olímpicos RIO2016.

O decreto de estado de calamidade pública foi publicado em Diário Oficial, mas não dá maiores explicações sobre quais seriam os motivos das implicações que acontecerão a partir do decreto de calamidade.

Publicidade
Publicidade

O texto descreve que as “autoridades competentes” editarão os atos normativos necessários para que se faça a regulamentação do estado de calamidade. O fato é que, após o decreto de ato de calamidade pública, o estado pode ter alguns privilégios, como, por exemplo, contratar empresas sem precisar de licitações.

Texto afirma que crise vem impedindo de honrar compromissos ligados aos jogos olímpicos

No texto publicado em Diário Oficial, o governador do Rio de Janeiro afirma que a grave crise financeira do estado, vem impedindo e dificultando que o estado cumpra as obras necessárias e os compromissos acertados para a realização dos jogos olímpicos.

Um exemplo da dificuldade na execução das obras, é a construção da linha 4 do metrô. Essa linha metroviária, que é considerada essencial para que sejam transportados torcedores de diversos países para assistir ao evento, está seriamente ameaçada de não ser concluída devido às dificuldades financeiras de honrar compromissos.

Publicidade

Nos cálculos do #Governo, faltam R$ 500 milhões de reais para terminar a linha 4 do metrô e, por estar inadimplente, o governo não poderá obter empréstimos para finalizar a obra.

Decreto afirma que crise pode trazer colapso em outras áreas essenciais

O governador Francisco Dornelles deixou explícito no decreto divulgado hoje, que a grave crise pode gerar um verdadeiro colapso na administração do estado e afetar áreas fundamentais ao bem-estar da população como áreas de segurança pública, educação, saúde, mobilidade e gestão ambiental.

A expectativa é que, até o final deste ano, o estado do Rio de Janeiro feche 2016 com um déficit nas contas públicas girando em torno de R$ 19 bilhões. #Rio2016 #Crise econômica