O senador Romário (PSB-RJ) e os deputados federais Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Jutahy Júnior (PSDB-BA) poderão ser investigados, caso o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que foi escolhido por sorteio, analise um pedido de investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR). 

Os políticos estão sendo considerados como envolvidos em crimes de #Corrupção passiva e lavagem de dinheiro - como apontado em uma troca de mensagens entre o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht; e Léo Pinheiro, presidente da construtora OAS. Motivo pela qual o Ministério Público encaminhou um pedido de investigação. 

Segundo a revista "Época", Rodrigo Janot, procurador-geral da República, está baseando-se nessas mensagens de celular e quer que o Supremo Tribunal autorize as investigações. 

Em uma troca de mensagens entre o empreiteiro Marcelo Odebrecht e Benedicto Barbosa da Silva Júnior, foi constatado o nome do senador Romário.

Publicidade
Publicidade

As mensagens foram descobertas em 2015, quando Marcelo Odebrecht foi preso em uma Operação da #Lava Jato. Benedicto, que é subordinado de Odebrecht, também foi preso.

A superplanilha, entregue à Polícia Federal por um dos funcionário da empreiteira Odebrecht, indicou uma lista com mais de 200 nomes de políticos e os valores distribuídos a cada um deles. O senador Romário é acusado de receber uma doação ilegal da empreiteira para sua campanha no ano de 2014, de acordo com a reportagem da "Época". O valor recebido por Romário seria de R$ 100 mil, que não foram declarados à Justiça. 

No celular de Léo Pinheiro foram encontradas mensagens citando o nome do deputado Rodrigo Maia, nas quais ele pergunta se uma doação de "250 vai entrar" - na Justiça não consta nenhuma doação da OAS ao deputado Maia.

Publicidade

No caso do deputado Jutahy Júnior, as investigações do Ministério Público mostraram a suspeita de caixa 2 na campanha de 2014. Além disso, Jutahy marcou uma reunião com Léo Pinheiro em uma data, sendo que no dia seguinte a essa data, ele recebeu a quantia de R$ 30 mil. Em mensagens, Jutahy questiona o dia em que ele receberá a segunda parte da quantia combinada. #Governo